Vós sois as testemunhas… (Lc 24,46-53)

Eles conviveram com Jesus cerca de três anos. Agora, o Senhor volta ao Pai e deixa-lhes uma pesada missão: dar testemunho de tudo o que viram e ouviram, os gestos e as palavras do Salvador. Como ser testemunha de Jesus?

Quem nos dá a resposta é o monge cisterciense André Louf:

“Para dar um testemunho válido sobre alguém, é preciso conhecê-lo por dentro, seria quase necessário compartilhar a vida dele. Tal é o caso de Jesus. Ele diz a Nicodemos: ‘Nós falamos daquilo que sabemos e atestamos aquilo que vimos’ (Jo 3,11).

Para este testemunho, existe ainda outra condição: que ele seja recíproco. O Pai, por sua vez, dá testemunho em favor de seu Filho: ‘Eis o meu Filho bem-amado, no qual está todo o meu amor. Escutai-o!’ (Mt 3,18)

O testemunho do Espírito Santo, que virá continuar a obra de Jesus procederá do mesmo mistério de intimidade e de reciprocidade. Ele foi anunciado e prometido por Jesus, mas, por sua vez, ele recordará tudo o que Jesus tinha dito.
Sem este mistério de intimidade e de comunhão entre as três Pessoas, não haveria Evangelho, não existiria nenhum testemunho válido. É que, sem amor, ninguém é testemunha. Só o amor é digno de fé.

Por seu lado, os cristãos que são testemunhas de Jesus, também eles não o podem ser sem o amor. A qualidade de seu testemunho dependerá de sua proximidade com Jesus: ‘Vós também sereis minhas testemunhas, porque estais comigo desde o começo’ (Jo 15,27). Isto era particularmente verdadeiro para as testemunhas oculares e privilegiadas de sua morte e de sua ressurreição, que não cessarão de apoiar-se nessa proximidade imediata para anunciar a boa nova: ‘Aquilo que nós ouvimos, o que vimos com nossos próprios olhos, aquilo que nossas mãos têm tocado do Verbo de vida, nós o temos visto e damos testemunho’.

Para aqueles que não viram com os olhos da carne, esses contatos misteriosos e íntimos com Jesus, sem os quais ninguém saberia ser testemunha dele, estão alicerçados na fé. ‘Bem-aventurados aqueles que não viram, mas creram’ (Jo 20,29). Como crer, senão depois de ter percebido de algum modo, em seu coração, o misterioso testemunho dos Três?

Ser testemunha de Jesus é tê-lo visto com os olhos da fé, ter partilhado de sua intimidade, ter escutado o testemunho de seu Espírito na oração, em uma palavra, possuir em nós a Jesus e todo o amor com que o Pai o amou.”

Não é propaganda. Não é retórica. Não é marketing. É uma questão de amor…

Orai sem cessar: “Ai de mim se eu não anunciar a Boa Nova!” (1Cor 9,16c)

Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.