Vós sois a luz do mundo! (Mt 5,13-16)

Naturalmente, Jesus Cristo não fala do “brilho” da fama, do sucesso nos palcos iluminados ou da ruidosa publicação de best sellers… É bem outra a sua intenção quando nos estimula a irradiar a nossa luz sobre o mundo. Aliás, nem temos luz própria; no máximo, podemos imitar a Luz, que reflete o sol. E é Jesus, para nós, o Sol da justiça (cf. Ml 3,20; Lc 1,78).

São João Crisóstomo [344-407 d.C.] comenta esta frase em uma de suas catequeses batismais:

A luz de que ele (Jesus) fala não se detém nos sentidos corporais, ela ilumina as almas e a inteligência daqueles que a contemplam. Ela dissipa as trevas do mal e chama aqueles que a recebem a brilharem na luz que os habita, imitando sua virtude.

‘Que vossa luz brilhe diante dos homens!’ Cristo disse exatamente ‘diante dos homens’. Que vossa luz seja tão grande, que ela não ilumine apenas a vós mesmos, mas que ela brilhe também diante dos homens que têm necessidade de que ela os oriente. Assim, pois, como a luz material põe em fuga as trevas e permite caminhar direito àqueles que percorrem as estradas materiais, igualmente a luz espiritual, que provém de uma conduta perfeita, ilumine aqueles que têm o olhar da alma obscurecido pelo erro e não sabem ver exatamente o caminho da virtude. Ela desvela e purifica os olhos de sua inteligência, repondo-os no caminho reto, e os faz caminhar daí em diante na via da virtude.

‘Para que vejam vossas boas obras e glorifiquem vosso Pai que está nos céus.’ Isto é, que vossa virtude, diz o Cristo, que a exatidão de vossa conduta e a retidão das boas obras estimulem aqueles que vos veem a dar glória ao Senhor de todos nós. Por conseguinte, que cada um de vós, eu vos rogo, se esforce por viver com tal exatidão que ele arraste os que vos observam a bendizer o Mestre.

É por isso que o bem-aventurado apóstolo, imitador de Cristo e doutor da perfeita conduta, que percorria o mundo tudo fazendo para a salvação dos homens, escrevia: ‘Se alguém está em Cristo, é uma nova criatura; as coisas antigas passaram, eis que todas as coisas se tornaram novas’ (2Cor 5,17).”

Diz o ditado popular: “Quem não quer o escuro, acende a vela”. Se o mundo vive em trevas, não seria porque não estamos irradiando a luz de Cristo?

Orai sem cessar: “Senhor, é à tua luz que vemos a luz…” (Sl 36,10)

Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.