Tradicionalmente, na Igreja Católica, agosto é conhecido como o mês das vocações. A Igreja no Brasil celebra e reflete sobre as vocações a cada semana: sacerdotais, religiosas, as vocações das famílias, dos leigos e catequistas. A Igreja nos ajuda a entender que vocação, em sentido mais preciso, é um chamamento, um convite especial de Deus. Uma convocação vinda diretamente sobre cada pessoa. O chamado tem como centro a pessoa de Jesus, é Ele que tem a iniciativa do chamado: “enquanto caminhava, Jesus viu Levi, o filho de Alfeu, sentado na coletoria de impostos, e disse para ele: Siga-me (cf. Mc 2,14). Portanto, a vocação nos diz que anterior a nós há um chamado, um apelo divino que vem de Jesus Cristo, a quem seguimos com total empenho, como afirma São Paulo na Carta aos Romanos: “Eu, Paulo, servo de Jesus Cristo, apóstolo por vocação, escolhido para o Evangelho de Deus.” (Rom 1, 1). Podemos entender a vocação como um diálogo; Deus chama e nós respondemos. Este diálogo pressupõe sintonia com o Senhor, é o amor divino que vem até nós em busca de uma generosa resposta de entrega e doação. Sendo assim, é bom que se perceba que nem a percepção do chamado, nem a resposta a ele, são tão fáceis e tão “naturais”. Exigem afinação ao divino e entrega de si mesmo; sem estes pressupostos, não há vocação verdadeira e real.

Neste mesmo mês celebramos também a semana nacional da família. A vocação está intimamente ligada à família, torna-se quase impossível refletir sobre o chamado de Deus sem destacar o papel importante da família. “Esta pequena célula, conhecida como ‘Igreja doméstica”, é o ambiente imprescindível para o nascimento e crescimento da vida cristã. A família tem a missão de estabelecer relações mais humanas e mais solidárias no seio da sociedade, humanizar as relações sociais, gerar vida em nome do próprio Jesus Cristo. Neste sentido podemos afirmar que a família é hoje a instituição mais importante dos nossos dias. Na família, a pessoa faz sua primeira experiência vocacional, o chamado à vida.

Rezemos para que o Senhor continue sendo generoso com as nossas famílias, enviando sempre bons operários para esta messe tão desafiadora.

Que Maria, a senhora nossa do Sagrado Coração, abençoe a todos!
Padre Edvaldo, MSC.