Viverá por mim… (Jo 6,52-59)

Eis uma promessa cheia de ressonâncias espirituais! Em seu “discurso eucarístico”, Jesus fala de uma das consequências de nos alimentarmos de seu Corpo e Sangue na sagrada Eucaristia: “viver por ele”. Como entender isto? As imagens da alegoria da videira verdadeira (cf. Jo 15) podem nos ajudar…

Viver “por Cristo” teria um valor causal: significa que a “seiva” que dele nos vem é a garantia de nossa vida espiritual.

Vivemos por causa dele. E também que é “através dele”, canal entre Deus e a humanidade, que experimentamos essa vitalidade. E ainda: que nossa “vida” – todo o bem que realizamos neste mundo – “passa por Ele” antes de chegar aos outros. É por ele que damos fruto.

Ao falar do alimento eucarístico, São Cirilo de Jerusalém diz que nós e Cristo nos tornamos um só corpo (sýssomos) e um só sangue (sýnaimos), incorporados e consanguíneos! De fato, somos aquilo que comemos…

Este anseio de identificação com Cristo eucarístico deve animar nosso caminho neste mundo. Dia a dia, sua graça permitirá que nos identifiquemos sempre mais com ele. Assim como meditei em meu soneto “O VISITANTE”:

Senhor, tu vens bater à minha porta,
Disfarçado nos trapos de um mendigo:
É teu jeito de estar sempre comigo
Mesmo quando faz frio e o vento corta…
Assim é que o exemplo teu me exorta
A buscar todo dia o Pão de trigo;
Então, sou eu quem pede para o Amigo
A migalha de Amor que me conforta…
Ah! Jesus, como é doce o teu convívio!
É remédio no mal; na dor, alívio…
É virtude a elevar-me do meu pó…
Depois, de volta ao lar, se me ajoelho,
Eu fito a minha face, ali no espelho,
E vejo que o amor nos fez um só!

Orai sem cessar: “O Pão reconforta o coração do homem.” (Sl 104,15b)

Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.