28/02/2019 – Um copo d’água… (Mc 9,41-50)

Definitivamente, o Reino de Deus não tem afinidade com os reinos dos homens. Entre nós, corremos atrás de coisas grandiosas. O ricaço é o primeiro a assinar no livro de ouro, para que sua doação polpuda salte aos olhos de todos. O artista quer ver seu nome em letras de neon. O político sonha com a estátua de bronze…

E Jesus de Nazaré – ah! esse estranho Jesus! – vem nos falar de um copo d’água?! O que vale um copo de água neste oceano de vaidades? Ora, vale a intenção com que ele foi dado. Nas palavras do Mestre, “quem vos der um copo d’água para beber porque sois de Cristo, não ficará sem receber a sua recompensa”. (Mc 9,41)

Uma rápida corrida de olhos pelo ensinamento de Jesus nos quatro Evangelhos logo deixará ver como o Mestre presta atenção em coisas pequenas: o lírio do campo, o fio de cabelo, o pequeno pardal, a moedinha perdida, uma única ovelhinha entre cem… O olhar de Jesus não se concentra em pirâmides e palácios grandiosos, mas se volta para a criancinha, a viúva pobre, o grão de trigo, os cachorrinhos.

Para onde estamos olhando? O político salvador da pátria? O craque bola de ouro? O cantor da moda? Por que não enxergamos o mendigo no portão, cuja voz não passa do interfone? Por que economizamos sorrisos e abraços? Por que não notamos os necessitados?

Até em relação aos santos, preferimos os “importantes”, aqueles que fizeram grandes milagres, entre êxtases e estigmas, reanimaram mortos e expulsaram demônios. Enquanto isso, uma santa “pequena”, que tem um diminutivo no nome – a Teresinha! – diz exatamente o contrário: “Madre querida, estais vendo que sou uma alma muito pequena que só pode oferecer a Deus coisas muito pequenas. Assim mesmo, acontece-me com frequência deixar escapar esses pequenos sacrifícios que dão tanta paz e tranquilidade à alma”. (Manuscrito C, 328)

É óbvio que estamos desperdiçando nosso tempo. Jogando no lixo a oportunidade de fazer o bem no dia a dia, de viver uma santidade de detalhes, de coisinhas simples, ao alcance de todos.

E ali – bem ali – está o copo d’água que podemos estender a quem tem sede. Tão simples! Tão fácil!

 

Orai sem cessar: “O Senhor exaltou os humildes…” (Lc 1,52)
Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.