26/04/2015

Tenho ainda outras ovelhas… (Jo 10,11-18)

Nosso “espírito de corpo” é muito forte. Experimentamos uma inclinação natural a nos fechar em pequenos grupos, igrejolas frequentadas exclusivamente por gente que se parece conosco: mesma pele, mesmo idioma, mesmo credo, mesmo jeito de rezar. Que pena!

Jesus – o Bom Pastor – diz com todas as letras que ele tem outras ovelhas em outros apriscos. E seu anseio profundo, manifestado claramente em sua oração antes do Getsêmani, é que “todos sejam um”. Aliás, seu exemplo não deixa nenhuma dúvida a esse respeito. Jesus curou judeus e samaritanos, atendeu aos patrícios e aos goyim: não-judeus como o centurião romano e a siro-fenícia com sua filha endemoninhada.

No início da Igreja, na hora de iniciar a missão evangelizadora, ainda havia gente “da casa” pensando que a Boa Nova seria anunciada exclusivamente ao Povo Escolhido. Aí, a visão da toalha (At 10) ensina Pedro, o primeiro Papa, a “não chamar de impuro o que Deus tinha purificado”. E logo o Império Romano helenizado ouvia a pregação de Paulo, desde Atenas até a Espanha.

Após o Concílio Vaticano II, não podemos mais hesitar a respeito deste ponto: o anseio ecumênico corresponde a um íntimo desejo do Senhor Jesus. Não podemos ignorá-lo nem combatê-lo. Seria mais uma traição. Claro que isto é difícil. Se fosse fácil, já o teríamos feito…

Ainda que, no Brasil, perdure a “guerrinha” entre denominações cristãs, há sinais de aproximação que trazem alegria e esperanças. Em 1999, luteranos e católicos assinaram um acordo a respeito da justificação pela fé. Grupos católicos e pentecostais se reaproximam de muitos países. Os catorze Patriarcados das Igrejas Ortodoxas estarão reunidos em 2016, em Istambul, para o Concílio Pan-Ortodoxo, reunião que não ocorria desde o ano 787 d.C.

Não faz muito tempo (maio de 1995), o saudoso João Paulo II publicou uma Encíclica sobre o empenho ecumênico: “Ut Unum Sint”. Ali, o Papa lembrava os mártires não-católicos que deram sua vida pela fé em Jesus Cristo: “Estes nossos irmãos e irmãs, irmanados na generosa oferta de suas vidas pelo Reino de Deus, são a prova mais significativa de que todo elemento de divisão pode ser vencido e superado com o dom total de si mesmo à causa do Evangelho”. (UUS, 1.)

E mais: “Os crentes em Cristo não podem permanecer divididos. Se querem verdadeiramente fazer frente à tendência do mundo a tornar vão o Mistério da Redenção, os cristãos devem professar juntos a mesma verdade sobre a Cruz.”

O mínimo que podemos fazer é, desde já, intensificar nossas orações pela unidade dos cristãos.

Orai sem cessar: “Que todos sejam um, ó Pai, como tu estás em mim e eu em ti!” (Jo 17,21)

Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança