DIA 30 DE MARÇO – SEGUNDA-FEIRA

SEMANA SANTA

Evangelho (João 12,1-11)

12 1 Seis dias antes da Páscoa, foi Jesus a Betânia, onde vivia Lázaro, que ele ressuscitara.
2 Deram ali uma ceia em sua honra. Marta servia e Lázaro era um dos convivas.
3 Tomando Maria uma libra de bálsamo de nardo puro, de grande preço, ungiu os pés de Jesus e enxugou-os com seus cabelos. A casa encheu-se do perfume do bálsamo.
4 Mas Judas Iscariotes, um dos seus discípulos, aquele que o havia de trair, disse:
5 “Por que não se vendeu este bálsamo por trezentos denários e não se deu aos pobres?”
6 Dizia isso não porque ele se interessasse pelos pobres, mas porque era ladrão e, tendo a bolsa, furtava o que nela lançavam.
7 Jesus disse: “Deixai-a; ela guardou este perfume para o dia da minha sepultura.
8 Pois sempre tereis convosco os pobres, mas a mim nem sempre me tereis”.
9 Uma grande multidão de judeus veio a saber que Jesus lá estava; e chegou, não somente por causa de Jesus, mas ainda para ver Lázaro, que ele ressuscitara.
10 Mas os príncipes dos sacerdotes resolveram tirar a vida também a Lázaro,
11 porque muitos judeus, por causa dele, se afastavam e acreditavam em Jesus.

Palavra da Salvação.

Meditando a Palavra

Eu te segurei pela mão! (Is 42,1-7)

Quando a criança que engatinhava começa a andar, os pais a seguram pela mão, dando-lhe apoio e firmeza para os primeiros passos. E o pequenino prontamente estende a mão, confiante, pois se sente amado e bem seguro. De um polo a outro, uma corrente de amor que estabelece vínculos definitivos.

Esta passagem de Isaías – o primeiro Cântico do Servo sofredor – pode ser lida como um retrato fiel da relação entre o Pai e seu Filho: é bem este o motivo do afeto e do prazer do Pai, que envia o Bem-amado a anunciar seu Amor aos homens. Declarações de amor da mesma natureza seriam ouvidas igualmente no Batismo de Jesus e em sua Transfiguração (cf. Mt 3,17; 17,1-8).

Mas também podemos ver nesta passagem uma espécie de roteiro – em quatro etapas – de nossa experiência de Deus. Ele nos chama, nos segura pela mão, nos forma e nos designa para levar a luz aos povos. Desde o início, nota-se uma teleologia da parte de Deus, que nos orienta para uma linha de chegada.

Tudo começa com um chamado: a vocação, que pode ocorrer em qualquer fase da vida, mesmo na fase pré-natal (cf. Jr 1,5). Nos primeiros tempos, verdadeira infância, nós somos guiados pela mão, passo a passo, carinhosamente educados até que venha o tempo da maturidade interior.

A seguir, passamos por um tempo de formação, quando Deus nos revela a verdade sobre si mesmo e sobre a humanidade que ele ama. Uma vez formados, seremos enviados em missão, destinados a uma tarefa junto ao povo. Em nosso tempo, há muitos cegos que desejam ver, prisioneiros que anseiam pela liberdade, todo um mundo de trevas que espera pela luz. Nossa vocação brota exatamente das necessidades daqueles que sofrem e comovem o coração do Pai. É por eles que acolhemos a missão.

Nesta passagem, o profeta olha para trás e percebe como seu caminho foi traçado por Deus. Sabe que sua história pessoal é indissociável da história de seu povo e de sua família. Também Jesus, no futuro, teria plena consciência de sua missão, mantendo-se fiel a essa vocação diante de todos os obstáculos, abraçando a cruz como quem acolhe plenamente a vontade do Pai.

Esta consciência do próprio destino (como sinônimo de missão e vocação) é que dá sentido à nossa vida. Chegar ao final da existência e reconhecer que recusamos nossa missão pode ser o vestibular do inferno… Ao contrário, quem segue o chamado de Deus poderá repetir as palavras de Jesus: “Não estou só, porque o Pai está comigo.” (Jo 16,32b) E esta experiência de amor não tem preço…

Orai sem cessar: “O Senhor me esconderá em sua tenda!” (Sl 27,5)

Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.