Se queres, tens o poder… (Mc 1,40-45)

Foi com estas simples palavras que o leproso da Palestina moveu e comoveu a Jesus, abrindo as portas para sua cura.

Na frase, duas palavras inseparáveis: “querer” e “poder”. Ora, seria impensável que o Filho do Deus Onipotente não tivesse poder sobre nossas enfermidades. Mais impensável ainda seria pensar que o Filho do Deus da Vida não quisesse nossa saúde e nossa salvação.

Se nossa cegueira não fosse tão acentuada (mais ou menos como nossa indiferença…), perceberíamos com espanto quantas vezes nós temos sido curados por Deus através de seus múltiplos e variados recursos, a saber: os sacramentos da Igreja, a Palavra de Deus, a interação da Comunidade, os méritos dos santos, a oração pessoal e comunitária e – por que não? – os frequentes milagres que passam em silêncio…

Pascásio Radbert, monge medieval, nos ensina: “É preciso dirigir a Deus nossos pedidos com toda a confiança, sem pôr em dúvida absolutamente o seu poder. E se rezamos com uma fé cheia de amor, certamente somos beneficiados, para chegar à salvação, com o concurso da vontade divina que age na proporção de seu poder e é capaz de produzir seus efeitos.

Esta é a razão pela qual, diante da súplica do leproso, o Senhor logo responde: “Eu o quero”. Assim, mal o pecador começa a rezar com fé, a mão do Senhor se põe a cuidar da lepra de sua alma.

Este leproso nos dá excelente conselho sobre a maneira de rezar. Ele não põe em dúvida a vontade do Senhor, como se recusasse a crer em sua bondade, mas, consciente da gravidade de suas faltas, não quer presumir essa vontade. Quando diz que o Senhor, se o quiser, pode purificá-lo, ele faz bem em afirmar dessa forma o poder que pertence a Deus, bem como a sua fé inquebrantável. É que, para obter uma graça, é normalmente requerida a fé pura e verdadeira, assim como a atuação do poder e da bondade do Criador.

A fé pura, vivida no amor, mantida pela perseverança, paciente na espera, humilde em sua afirmação, firme em sua confiança, cheia de respeito em sua prece e de sabedoria naquilo que ela pede, está certa de ouvir em toda circunstância esta mesma palavra do Senhor: “Eu o quero”.

Nem mesmo nossos pecados – grãos de poeira diante da misericórdia infinita – serão obstáculos para a ação de Deus em nossas vidas.

Orai sem cessar: “Lava-me e ficarei mais branco do que a neve!” (Sl 51,9)

Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.