Santuário das Almas
  • Rua Guaporé, 429 – Armênia – cep 01109-030 – São Paulo – SP
  • Telefone: (11) 3228-9988 – E-mail: contato@santuariodasalmas.com.br

São João Paulo II, o peregrino do amor

Publicado em 22 de outubro de 2014 \\ Notícias

4ª feira – dia 22 – São João Paulo II, o peregrino do amor

Palavra de João Paulo II, o peregrino do amor, em Brasília, em 30 de junho de 1980

“Misteriosos e amorosos desígnios de Deus colocaram-me como Bispo de Roma, sucessor do Apóstolo Pedro e portanto Vigário de Cristo e Chefe visível de sua Igreja.

Sinto como dirigido a mim o tremendo e reconfortante mandato, de confirmar em sua missão meus irmãos Bispos, ‘eu eu roguei por ti, para que a tua confiança não desfaleça; e tu, por tua vez, confirma teus irmãos’ (Lc 22,32); e de, com eles, confirmar os filhos da Igreja Católica numa fé intrépida e irradiante que os leve a testemunhar diante do mundo as razões de sua esperança em Cristo: ‘Portanto, não temais as suas ameaças e não vos turbeis. Antes santificai em vossos corações Cristo, o Senhor.

Estai sempre prontos a responder para vossa defesa a todo aquele que vos pedir a razão de vossa esperança, mas fazei-o com suavidade e respeito’ (1Pd 3,15); e a comunicar ao mundo as insondáveis riquezas do amor de Cristo ‘que demonstrou assim pelos séculos futuros a imensidão das riquezas de Sua graça, pela bondade que tem para conosco, em Jesus Cristo’ (Ef 2,7).

A esta finalidade respondem as visitas que venho fazendo a vários países e continentes e que por isso mesmo podem ser chamadas visitas pastorais ou peregrinações missionárias.”

Programação para finados

Publicado em 20 de outubro de 2014 \\ Notícias

sant_post_finados (1)

Celebração e Coroação de N.Sra.Aparecida

Publicado em 17 de outubro de 2014 \\ Galeria de imagens > Notícias

Festa das Crianças no nosso Santuário

Publicado em 17 de outubro de 2014 \\ Galeria de imagens > Notícias

Santa Margarida Maria Alacoque

Publicado em 16 de outubro de 2014 \\ Notícias

Foto_Margarida_Maria“O Sagrado Coração de Jesus é o dispensador de todos os bens. Nele precisam os pobres lançar todas as suas necessidades.

É oceano de alegria onde temos de colocar todas as nossas tristezas.

É o abismo de humildade contra nossa loucura, abismo de misericórdia para os miseráveis, abismo de amor para as nossas indigências.”

(Santa Margarida Maria Alacoque)

Nada te perturbe

Publicado em 16 de outubro de 2014 \\ Notícias

Sta.Tereza de Ávila“Eleva o pensamento ao céu sobe
por nada te angusties, nada te perturbe.
A Jesus Cristo segue com coração grande
e venha o que vier, nada te espante.

Vês a glória do mundo! É glória vã,
nada tem de estável, tudo passa!
Nada te perturbe, nada te espante, tudo passa!

Aspira às coisas celestes que sempre
duram. Fiel e rico em promessas, Deus não muda.
Ama-o como merece, bondade imensa,
mas não há verdadeiro amor sem a paciência.

A confiança e fé viva mantêm a alma.
Quem crê e espera, tudo alcança.

Deus não muda! A paciência tudo alcança.

Do inferno acoçado embora se veja,
enganará seus furores quem a Deus tem.
Que lhe venham desamparos, cruzes e desgraças
sendo Deus o seu tesouro, nada lhe falta.

Ide, pois, bens do mundo, pois tudo é nada.
Ainda que tudo percas, só Deus basta!

Quem a Deus tem nada lhe falta. Só Deus basta!”

(Oração de Santa Teresa de Jesus, musicada por Ir. Maria Elisabeth da Trindade. CD Tudo basta. Ir. Kelly Patrícia.)

O rosário são rosas com raízes no céu

Publicado em 15 de outubro de 2014 \\ Notícias

DSCN7031‘“Quando eu era criança, morava numa casa grande com um grande jardim. Lá sempre tinha sol, eram flores de todos os tipos, rosas de todas as cores. Nos meus seis anos eu tinha dois irmãos, mas o que me encantava era aquele jardim. Ficava andando ali no meio, falando com as flores e não me sentia sozinha. Não me contentava em olhar, eu queria tocá-las. A planta que me chamava atenção era um vaso que ficava na varanda, “dedinhos-de-moça”, o nome que minha mãe disse. Não era uma planta vistosa, não eram flores, mas pencas como cachos de uva.

Por dentro verdes e carnudos como a uva e tinham o formato de dedos. As pencas, devido ao peso, pendiam para fora do vaso quase se soltando da terra, presas pela raiz.

Minha mãe tinha ciúmes do seu jardim.

Uma tarde, achando que ninguém me via, arranquei as pencas de dedinhos, envolvi com a saia do vestido e fui para um canto mais escondido. Entreti-me por um tempo com os dedinhos, depois joguei fora. Mais tarde, minha mãe com o vaso na mão perguntou quem havia feito aquilo e olhou para mim. Baixei a cabeça e não respondi. Naquele momento senti-me sem defesa e pequenina, muito menor que a minha idade, porque não queria ter magoado minha mãe. Fiquei de castigo. Minha mãe era muito brava e sempre punha meus irmãos de castigo. Não que minha mãe quisesse o mal de seus filhos. Era o seu jeito de ensinar.”

Hoje, quando seguro o terço, lembro-me dos “dedinhos-de-moça”. Sei que junto com os meus dedos estão as mãos de Nossa Senhora segurando as minhas mãos e rezando comigo. Jesus responde com luz ou com palavras e tudo fica mais claro.

A palavra rosário, originária do latim medieval, significa jardim de rosas, buquê de rosas, grinalda de rosas. No rosário as rosas são espirituais. São ave-marias que oferecemos a Nossa Senhora cada vez que repetimos a saudação do anjo e de Isabel: Ave, Maria…

A reza do terço não pode ser distraída. Foi dizendo “Ave, Maria…” que o anjo Gabriel contou a Maria a alegre novidade: Ela fora escolhida para ser a mãe de Jesus, o Messias; a mesma alegria que Isabel sentiu ao receber Maria grávida de Jesus. “Ave” quer dizer “Alegre-se”. Durante as cinquenta ave-marias do terço ou nas duzentas (rosário), percorremos em cada dezena os principais mistérios da vida de Jesus, que a Virgem Maria acompanhou com a mesma confiança do dia da Anunciação.

Com o terço na mão nos colocamos como a menina da história, em meio às rosas, na mão de Deus. Antes de começar a reza entregamos a Nossa Senhora a nossa intenção, o motivo da nossa oração, que também pode ser agradecimento. Ao começar rezamos o “Creio….” confirmando a existência de Deus, a nossa fé em tudo que a Igreja ensina, que é Palavra de Deus. Antes do início de cada dezena de ave-marias, rezamos “Pai nosso…” ─ o nosso temor a Deus, o Pai Criador tão amoroso, o tempo todo de olhos postos em nós.

Ao rezar Ave, Maria… cada coração revela: “Eu reconheço e creio, Mãe do Céu, que Deus vos tornou santa e bendita entre as mulheres quando o Espírito Santo gerou em vós, Jesus. Por isso, Santa Maria, sois muito importante para Deus. Pede a Ele pelo meu dia, minha noite, e esteja comigo, Mãe, na última hora, a da morte”.

Após cada dezena damos “Glória ao Pai, ao Filho e ao Espírito Santo…”. Em seguida, invocamos o favor dos santos e dos anjos. Eles têm parte no nosso sustento. São a inumerável Família do Céu.

Por fim rezamos “Salve, Rainha…” nosso louvor e súplica a Nossa Senhora para que nos ensine o silêncio, a humildade, mostre-nos Jesus; nos ensine a rezar por nossas famílias, por nossos irmãos; por quem nos magoa e por aqueles que magoamos. Quanta decepção e outros sentimentos contra aqueles que machucaram seu Filho, Nossa Senhora resolveu no coração! Quem melhor do que Ela para rezar conosco?
Nossa Senhora tem cuidado de nós. Jesus Lhe deu essa missão de mãe quando estava na cruz. Na ponta do terço, o crucifixo, que nós seguramos do início ao fim da oração. A nossa dor, mágoa, humilhação, arrependimento junto com a cruz de Cristo. Na reza do terço dedilhamos as contas no sentido da cruz, porque a cruz de Jesus não é castigo, é salvação.

Depois do terço aquietamos nosso coração. Depois do rosário, somos reavivados na fé. Quando cultivamos rosas não é perfume que esperamos?

“Nossa Senhora, queremos sentir em Vós a mesma confiança que Jesus. Acompanhai a nossa vida para que nossos atos sejam um movimento único a plantar o Reino de Deus. Amém.”

S. João Paulo II, o papa, falou às crianças

Publicado em 10 de outubro de 2014 \\ Notícias

joão-paulo-II-e-crianças1 Queridos meninos e meninas: o papa está muito contente por estar aqui no meio de vocês, porque gosta muito das crianças. Deus nosso Senhor e Jesus também gostam, por isso, em nome de Jesus, um abraço a cada um de vocês. Estão contentes?

2 Vocês já repararam, ou ouviram dizer que há muitas crianças, até mesmo no Brasil, que não têm comida que chegue, que não podem ir à escola por não ter roupas nem livros, que estão doentes sem ninguém para as tratar, que andam pela rua por não ter casas, que estão sozinhas e são maltratadas por não ter quem as ajude. O que vamos fazer?

3 Eu quero dizer para vocês que Deus os ama, está com todos e todos são importantes para Ele. Por isso, Ele pensa sempre em cada um de vocês. Sabem por quê? Para o mundo dos homens se tornar melhor e não haver tantos meninos e meninas assim sofrendo. Vamos ser todos bons, rezar e fazer o que Deus quer de nós: numa palavra, vamos amar a Deus sobre todas as coisas e amar as pessoas todas como gostaríamos que nos façam a nós. Vamos passar a vida toda fazendo o bem, como Jesus, e Deus ficará contente, assim como lhes ensinam as pessoas grandes. Para essa casa, para os padres e todos da família de vocês, seus pais, suas mães e para todos que lhes fazem bem, vão minhas bênçãos com votos de felicidades. Antes vamos pedir a Nossa Senhora, mãe do Céu e de Jesus, que diga a Jesus, “muito obrigado”.

A PALAVRA DE JOÃO PAULO II NO BRASIL: DISCURSOS E HOMILIAS. Texto integral apresentado pela CNBB. Homilia 17, em 3 de julho de 1980. Ed. Paulinas. 1980. p. 112.

Aquele que perseverar até o fim será salvo

Publicado em 7 de outubro de 2014 \\ Notícias

“Aquele que perseverar até o fim será salvo” (Mt. 24, 13)

Pe. Agenor Possa vida e morte

Hoje devolvemos a Alma, a vida e o ministério deste nosso irmão Agenor a Deus. Como todos nós, foi um homem com alguns defeitos e qualidades.

Defeitos: Tinha uma personalidade forte. Não se intimidava diante das pessoas. Ao se sentir ameaçado, logo respondia.

Não vamos falar dos seus defeitos. Vamos dar graças a Deus pela sua vida e pelos seus dons. Fazia parte da personalidade e formação do Pe. Agenor a perseverança, a teimosia. Pouco antes de sua morte, na visita noturna, Pe. Valmir e eu, vendo sua situação de sofrimento cochichávamos aos seus ouvidos dizendo que ele deveria se entregar a Deus com confiança como ele sempre fez.Nesta mesma visita demos a ele a absolvição de seus pecados e rezamos a oração da Indulgência plenária.

Voltando à perseverança: Pe. Agenor era um homem de constância na oração. Todos os dias, por volta das cinco da manhã, estava na capela interna da Casa Provincial fazendo suas orações.

Sozinho, todos os dias, por volta das seis da manhã cantava o Ave Admirabile na capela. Durante o dia, muitas vezes frequentava a capela, rezando o Ofício ou suas orações particulares.

Todos os dias rezava seus três terços: um pelo Papa, outro pela Província e um terceiro que não me lembro bem de sua intenção. Mas me lembro de suas preces em nossas orações comuns pelos que sofrem e que vivem na solidão.

Todos os dias presidia a Eucaristia pela manhã, marcando sua missa antecipadamente na agenda interna da casa sua Eucaristia. Não me lembro de vê-lo, com seus oitenta e cinco anos, com preguiça de atender as Confissões.

Com seu jeitão era sempre presente na vida da congregação e em todos os encontros da comunidade provincial.

Um dia, depois da visita em um de nosso seminários, disse-me que tínhamos poucas vocações. Eu disse a ele que eu estava fazendo o que podia para conseguir mais vocações. Perguntei lhe: “E o senhor o que está fazendo?”. Ele me olhou com firmeza e disse: “Eu rezo”. Eu disse-lhe: “O senhor escolheu a parte mais importante”, fazendo referência ao evangelho de Lucas 10.
Posso confirmar que Pe. Agenor era um homem de muita fé. Conhecedor de seus limites. Assíduo nas Confissões.

“Depois de sua queda nós já começamos a sentir a falta, de sua presença irreverente, em nossa Casa Provincial. Que Deus o acolha na eternidade, Padre Agenor, e que o senhor continue, junto de Deus, rezando pela Igreja (pelo Papa), pela Província e pelos que sofrem e vivem na solidão.”

A imagem do evangelho que Pe. Agenor nos deixa é a seguinte: “Aquele que perseverar até o fim será salvo” (cf. Mt 24,13).

Pe. Manoel Ferreira dos Santos Junior, MSC
Superior Provincial

A São Francisco de Assis

Publicado em 6 de outubro de 2014 \\ Notícias

S.Francisco“Ó glorioso São Francisco de Assis, a quem o Senhor, por um prodígio de graça, vos dignou tornar-se desde o berço até à morte uma viva imagem Sua!

Vós que Lhe consagrastes todo o vosso coração e todo o vosso ser e que professáveis desejar fazer por Ele, mediante Seu divino auxílio, obras cada vez maiores, dignai-vos, ó grande patriarca, lá dos céus onde estais, lançar sobre nós vossa bênção. Por aquele divino amor, que tanto vos abrasava, pelo qual pedíeis a Deus de morrer pelo amor d’Ele, como Ele morreu pelo amor de vós, e pelo qual vos imprimiu suas cinco chagas, lembrai-vos de nós. Rogai, ó grande santo, pela Santa Igreja, da qual o Senhor quis nos fazer forte e inabalável coluna.

Rogai à Virgem Santíssima da Conceição, à doce e excelsa Maria, que proteja o Sumo Pontífice, chefe visível da Igreja, e alcance que essa Igreja triunfe de seus inimigos e, reunindo em seu seio seus filhos, chame também a si todos aqueles que dela se acham extraviados e igualmente os que ainda jazem nas trevas do paganismo, para que todos juntos cantemos no céu eternamente as misericórdias do Senhor.

Amém.”

Página 1 de 1912345...10...Última »