Santuário das Almas
  • Rua Guaporé, 429 – Armênia – cep 01109-030 – São Paulo – SP
  • Telefone: (11) 3228-9988 – E-mail: contato@santuariodasalmas.com.br

Agradecimento

Publicado em 21 de abril de 2014 \\ Notícias

Quero nesses poucas palavras expressar a minha gratidão a todos(as) que ao longo do Tempo da Quaresma e principalmente durante a Semana Santa, trabalharam incansavelmente na preparação das celebrações e procissões. Graças a participação dos agentes de pastorais, voluntários e funcionários foi possível fazer com que tudo transcorresse bem, fazendo com que os fiéis em geral pudessem rezar e fazerem a experiência de Deus.

A todos(as), expresso de coração a minha gratidão!!!

Aproveito para lançar o próximo grande desafio. Ou melhor, o nosso próximo evento. No mês de junho celebraremos a Festa do nosso Padroeiro Sagrado Coração de Jesus. Conto com o apoio e participação de todos.

Recebem a minha bênçãos sacerdotal,

Pe. Valmir Teixeira, mSC

Domingo de Páscoa – 2014

Publicado em 21 de abril de 2014 \\ Galeria de imagens > Notícias

A boa-nova do domingo de Páscoa pela fala dos atores que encenaram a Ressurreição: “Sei que procurais Jesus que foi crucificado. Não está aqui: ressuscitou como disse”.

A procissão realizou a ordem do evangelho: “Ide depressa e dizei aos demais que Ele ressuscitou” ”(cf.Mt 28,5-7).

Na Santa Missa nos encontramos com Jesus ressuscitado presente no altar nas espécies de pão e vinho consagrados.

Em seguida compartilhamos a alegria da ressurreição no lanche comunitário.

Sábado da Semana Santa

Publicado em 18 de abril de 2014 \\ Notícias

“Cristo por nós padeceu, morreu e foi sepultado: vinde todos adoremos”. Celebramos neste dia a sepultura do Senhor e aguardamos, na esperança, a sua ressurreição. Hoje, enquanto o Esposo dorme, a esposa se cala. Mas quem é o esposo que dorme? E quem é a esposa que cala? O Esposo é Cristo, e ele dorme o sono da morte, não a morte eterna, mas a morte corporal, da qual homem algum pode escapar. A esposa é a Igreja que se curva sobre o mistério da Cruz. Hoje o Senhor desceu à mansão dos mortos, conforme nos conta uma antiga homilia no Sábado Santo: A descida do Senhor à mansão dos mortos.

Que está acontecendo hoje? Um grande silêncio reina sobre a terra. Um grande silêncio e uma grande solidão. Um grande silêncio, porque o Rei está dormindo; a terra estremeceu e ficou silenciosa, porque o Deus feito homem adormeceu e acordou os que dormiam há séculos. Deus morreu na carne e despertou a mansão dos mortos. Ele vai antes de tudo à procura de Adão, nosso primeiro pai, a ovelha perdida. Faz questão de visitar os que estão mergulhados nas trevas e na sombra da morte. Deus e seu Filho vão ao encontro de Adão e Eva cativos, agora libertos dos sofrimentos.

O Senhor entrou onde eles estavam, levando em suas mãos a arma da cruz vitoriosa. Quando Adão, nosso primeiro pai, o viu, exclamou para todos os demais, batendo no peito e cheio de admiração: “O meu Senhor está no meio de nós”. E Cristo respondeu a Adão: “E com teu espírito”. E tomando-o pela mão, disse: “Acorda, tu que dormes, levanta-te dentre os mortos, e Cristo te iluminará. Eu sou o teu Deus, que por tua causa me tornei teu filho; por ti e por aqueles que nasceram de ti, agora digo, e com todo o meu poder, ordeno aos que estavam na prisão: ‘Saí!’; e aos que jaziam nas trevas: `Vinde para a luz!’; e aos entorpecidos: `Levantai-vos!’
Eu te ordeno: Acorda, tu que dormes, porque não te criei para permaneceres na mansão dos mortos. Levanta-te dentre os mortos; eu sou a vida dos mortos. Levanta-te, obra das minhas mãos; levanta-te, ó minha imagem, tu que foste criado à minha semelhança.

Levanta-te, saiamos daqui; tu em mim e eu em ti, somos uma só e indivisível pessoa.

Por ti, eu, o teu Deus, me tornei um filho; por ti, eu, o Senhor, tomei tua condição de escravo. Por ti, eu, que habito no mais alto dos céus, desci á terra e fui até mesmo sepultado debaixo da terra; por ti, feito homem, tornei-me como alguém sem apoio, abandonado entre os mortos. Por ti, que deixaste o jardim do paraíso, ao sair de um jardim fui entregue aos judeus, e, num jardim, crucificado. Vê em meu rosto os escarros que por ti recebi, para restituir-te o sopro da vida original. Vê na minha face as bofetadas que levei para restaurar, conforme a minha imagem, a beleza corrompida.

Vê em minhas costas as marcas dos açoites que suportei por ti para retirar de teus ombros o peso dos pecados. Vê minhas mãos fortemente pregadas à árvore da cruz, por causa de ti, como outrora estendestes levianamente as tuas mãos para a árvore do paraíso. Adormeci na cruz e por tua causa a lança penetrou no meu lado, como Eva surgiu do teu, ao adormeceres no paraíso. Meu lado curou a dor do teu lado. Meu sono vai arrancar-te do sono da morte. Minha lança deteve a lança que estava dirigida contra ti.

Levanta-te, vamos daqui. O inimigo te expulsou da terra do paraíso; eu porém, já não te coloco no paraíso, mas num trono celeste. O inimigo afastou de ti a árvore, símbolo da vida; eu porém, que sou a vida, estou agora junto de ti. Constitui anjos que, como servos, te guardassem; ordeno agora que eles te adorem como Deus, embora não sejas Deus. Está preparando o trono dos querubins, prontos e a postos os mensageiros, construído o leito nupcial, preparado o banquete, as mansões e os tabernáculos eternos adornados, abertos os tesouros de todos os bens e o reino dos céus preparado para ti desde toda a eternidade. (Liturgia das Horas, p. 439s).

Que o recolhimento deste dia nos prepare, para que à noite, na Vigília Pascal, possamos nos unir a todo o universo que romperá o grande silêncio com o canto do ALELUIA, aclamando Nosso Senhor Jesus Cristo, que vive e reina para sempre!

Domingo da Páscoa – “Aleluia, aleluia! Este é o dia que o Senhor fez para nós, alegremo-nos e nele exultemos! Aleluia, aleluia!”ressuscitado. Que alegria, Cristo ressurgiu! Não está morto, mas é o Vivente. Chegamos ao grande dia, o dia da Páscoa, é um novo dia, uma nova semana e tudo se renova, pois eis que Cristo nossa páscoa foi imolado.
A maior festa de toda a cristandade é a ressurreição de Jesus Cristo, pois se trata de um acontecimento que está no centro da experiência religiosa que Jesus Cristo fez de Deus, é o cume do caminho feito por ele. Com sua ressurreição os seguidores de Jesus descobrem quem ele é, qual sua missão e qual é seu futuro. Que o Cristo Vivente nos ilumine e nos guie nos caminhos da paz e do bem!

Uma feliz e Santa Páscoa!
Pe. Valmir Teixeira, mSC

Sexta-feira da Semana Santa

Publicado em 17 de abril de 2014 \\ Notícias

“Nós nos gloriamos na cruz de Nosso Senhor, que hoje resplandece como o novo mandamento do amor”.

Semana Santa

Hoje é o dia da Paixão de Cristo. Paixão do Senhor de nossas vidas. Paixão ou sofrimento que começou na noite de quinta para sexta-feira, no horto das oliveiras, regada pelas lagrimas, pelo medo, pelo pavor diante do sofrimento, da cruz e da morte que se aproximavam. Paixão ou sofrimento pela traição do amigo, pela prisão, pelos questionamentos dos líderes religiosos e políticos, pelo abandono dos discípulos, e tantas outras coisas. Paixão ou sofrimento revestido e motivado por uma certeza e decisão: amar, e amar até o fim.

Celebramos o dia em que o Esposo da Igreja foi tirado. O Esposo é Cristo e a Igreja somos todos nós. Por isso esse dia é de silêncio, jejum e abstinência. É o dia em nós, como Igreja, nos debruçamos totalmente sobre o sacrifício da cruz, rezando a Via-Sacra e celebrando a Paixão do Senhor, na mesma hora em que Cristo morreu por nós. Nesta sexta-feira, somos convidados a mergulhar nos mistérios da Páscoa da Paixão, participando da celebração da Palavra que tem como centro a narração da paixão de Jesus, segundo São João capítulo 18, e como ponto culminante a adoração da santa Cruz. Que no silêncio deste dia, contemplando e adorando o Crucificado, cheguemos ao reconhecimento de seu mistério: “De fato, esse homem era mesmo o Filho de Deus”. Solidários com os sofrimentos do divino Redentor e dos membros de seu Corpo, recebamos força para viver da esperança e da vitória que nasce da Cruz.

“Cristo! Pela sua dolorosa paixão, tende piedade de nós e do mundo inteiro!”.

Quinta-feira da Semana Santa

Publicado em 16 de abril de 2014 \\ Notícias

É um dia marcado por três momentos distintos: santa ceia. É um dia de semana da semana santa (quinta-feira); Pela manhã é celebrada a Missa Crismal;

No entardecer ou no inicio da noite se inicia o Tríduo Pascal com a Missa da Ceia do Senhor e do Lava-pés.

A Missa Crismal é celebrada na manhã da quinta-feira santa nas Catedrais diocesanas. Nela estão presentes o Bispo diocesano, todos os Padres que ali atuam e todo o povo de Deus. São abençoados os Óleos que serão usados na celebração dos Sacramentos como o Batismo, Crisma, Unção dos Enfermos e Ordem. E, os Padres renovam suas promessas sacerdotais e o povo renova a sua missão. É a Missa da unidade. Na Missa da Ceia do Senhor celebram-se os mistérios da ultima Ceia, apresentados em São João 13, 1-15, e que são: 1 – O Novo Mandamento do Amor, pelo lava-pés; 2 – A Eucaristia, na qual Cristo se dá como alimento; 3 – E o sacerdócio ministerial instituído pelo próprio Cristo.

Esses mistérios são permeados pelo amor que acontece no serviço, quando Jesus lava os pés de seus discípulos, e de maneira mais forte, na Eucaristia onde o Corpo e o Sangue entregues, antecipam a doação total de Jesus ao Pai. E o meio para que tudo isso aconteça é o sacerdócio. Finalmente a Ceia do Senhor é encerrada quando o sacerdote leva as Hóstias consagradas para um lugar dignamente preparado e ali o Santíssimo Sacramento é adorado por algumas horas da noite. Também são lembradas nesta noite, a oração, a agonia e a prisão de Jesus. É Jesus que nos ensina a fazer de nossa vida uma perfeita doação, lavando os pés dos irmãos, amando a Deus e ao próximo como a nós mesmos.

Quarta-feira da Semana Santa

Publicado em 15 de abril de 2014 \\ Notícias

Situamo-nos no Evangelho segundo Mateus 26, 14-25, que nos apresenta três momentos: O 1º – Judas que negocia com os sumos sacerdotes, a entrega de Jesus, no valor de trinta moedas de prata; O 2º – É a preparação para comer a páscoa, feita pelos discípulos a mando de Jesus; O 3º – É Jesus em torno da mesa com os seus.

Esse trecho do Evangelho, bem como toda a liturgia deste dia, pede perseverança e firmeza nos momentos difíceis da missão. Ora, Jesus sabe que um dos seus discípulos vai traí-lo. E o que é pior: o traidor é aquele que põe a mão no prato com ele, ou seja, é aquele que conviveu com Jesus, que tem proximidade, que é amigo. É aquele que poderia muito bem ter aproveitado a amizade de Deus, a confiança de Jesus, o dom do Espírito Santo, mas infelizmente não o quis. E é a respeito deste que Jesus diz: ai daquele que trair o Filho do Homem… ! Isso porque Judas perdeu tudo, ou seja, perdeu o maior bem que qualquer pessoa pode ter: Deus. Portanto, não percamos a grande oportunidade que Deus nos dá. Aproveitemos este dia para fazer uma boa confissão, para visitar e ajudar fraternalmente os doentes, e assim estar com Deus.

 

Terça-feira da semana santa

Publicado em 14 de abril de 2014 \\ Galeria de imagens > Notícias

João 13, 21-33.36-38, nos situa na santa ceia e nos confronta com a posição tomada por cada um dos apóstolos diante de Jesus.

 

Segunda-feira da Semana Santa

Publicado em 13 de abril de 2014 \\ Notícias

De segunda à quarta-feira da semana santa acontece a preparação mais imediata da Páscoa, onde a Igreja contempla o Servo sofredor.

A liturgia reconstitui os acontecimentos que o Senhor viveu nos últimos dias de sua vida terrena. E cada dia é marcado pelo Evangelho próprio que faz jus à semana derradeira de Jesus Cristo.

No Evangelho segundo João 12, 1-11, a presença de Lázaro a quem Jesus ressuscitou, marca o forte anuncio da própria ressurreição do Senhor.

Domingo de Ramos e Paixão do Senhor

Publicado em 13 de abril de 2014 \\ Notícias

O domingo que abre a semana santa recebe esse nome porque, no mesmo dia se Domingo de ramos celebra os dois aspectos onde Cristo se humilhou e Deus o exaltou. Ambos são apresentados na acolhida de Jesus como rei simples, porém esperado e aclamado como tal, e na narrativa da sua Paixão. No entanto, a segunda leitura desse domingo mostra que por causa do rebaixamento de Cristo, Deus o exaltou sobre todas as coisas (Fl 2, 6-11).

Os ramos que levamos não são para uma simples dramatização, mas tem um sentido profundo inspirado no povo do Antigo Testamento, que durante a festa das Tendas levavam ramos, significando a esperança messiânica, ou seja, o Messias virá e nos salvará. Vamos ao seu encontro com alegria. Fazendo dessa forma, acolhemos o Senhor em nossas vidas renovando nossa adesão a ele.

 

Liturgia da Semana Santa

Publicado em 12 de abril de 2014 \\ Notícias

Liturgia da Semana Santa e a Riqueza de sua Espiritualidade

Antigamente chamada de semana maior, e nos nossos dias, semana santa, ela marca a Páscoa que é o centro da vida de nossa fé cristã. Por esta razão, anualmente, com mais ênfase e de forma mais detalhada, celebramos a entrada triunfante de Jesus em Jerusalém, cada passo de sua entrega, desde a Eucaristia, passando pela sua paixão e morte na cruz, até a ressurreição; de forma que cada dia desta semana se reveste de uma profunda espiritualidade.

É neste clima espiritual que a liturgia nos convida a viver estes dias com jubilo e renovada esperança. E, através da Palavra de Deus, das orações e dos gestos, todas as celebrações abrem para nós, que somos discípulos do Ressuscitado, horizontes luminosos de vida em plenitude, Domingo da Páscoa.

Página 1 de 1612345...10...Última »