Santuário de Aparecida
  • Praça Washington Luis, 4 – 51 – Centro – CEP 17010-210 – Bauru – SP
  • Tel: (14) 3202-9031 – E-mail: secretaria@santuarioaparecidabauru.com.br

Salmo do dia – 150

Publicado em 11 de setembro de 2013 / Evangelho do dia

DIA 12 DE SETEMBRO – QUINTA-FEIRA

Louve o Senhor tudo o que vive e que respira. Sl 150 

Salmo responsorial 150 

Louvai o Senhor Deus no santuário,
louvai-o no alto céu de seu poder!
Louvai-o por seus feitos grandiosos,
louvai-o em sua grandeza majestosa 

Louvai-o com o toque da trombeta,
louvai-o com a harpa e com a cítara!
Louvai-o com a dança e o tambor,
louvai-o com as cordas e as flautas!

Louvai-o com os címbalos sonoros,
louvai-o os címbalos de júbilo!
Louve a Deus tudo o que vive e que respira,
tudo cante os louvores do Senhor!

Meditando a Palavra

No seu santuário… (Sl 150)

Este Salmo que conclui o Hallel, no fecho do Saltério, começa por um convite com tonalidade imperativa: “Louvai a Deus no seu santuário!” E onde estará o santuário do Senhor?

Na Primeira Aliança, multidões de israelitas acorriam de todo o mundo para adorar a Yahweh no Templo de Jerusalém, o “lugar” onde Deus morava, na penumbra do Santo dos Santos, junto à Arca da Aliança. Até estrangeiros, como o eunuco da Rainha Candace (cf. At 8,26ss), para lá se dirigiam com a mesma intenção de “adorar”.

Estaria o Criador prisioneiro de um templo? Aquele que é maior que o Cosmo estaria ausente de sua Criação?

O teólogo Gianfranco Ravasi escreveu um livro muito inspirado para responder à pergunta: “Onde estás, Senhor?” [Dove sei, Signore? Ed. San Paolo, Milão, 2012] Trata-se de uma “teologia do espaço”. Qual é a casa de Deus, o lugar próprio para sua adoração?

Claro que os templos têm sentido. O aforisma da tradição judaica afirmava: “O mundo é como o olho: o mar é o branco do olho; a terra, a íris; Jerusalém é a pupila, e a imagem nela refletida é o Templo”. O Povo Escolhido situava no Templo – hoje reduzido a um muro que recolhe lágrimas – a Presença do Senhor, a sua Shekinah. A ruína do Templo extinguiu os sacrifícios e o sacerdócio, concentrando as atenções na Palavra.

E se, um dia, forem proibidos os santuários e as capelinhas do alto do morro? Nada de essencial irá mudar. Mesmo então, poderemos repetir as palavras do salmista: “Para onde irei, longe de vosso Espírito?” (Sl 139,7) Há muitas moradas de Deus à nossa volta. Sua Presença preenche a toda a terra, onde o Vento rege a sinfonia da floresta. Preenche os oceanos, onde os cardumes dançam o inigualável balé submarino.

Ravasi comenta: “O espaço – como sugere a imagem de um cântico da sinagoga, na festa das Semanas (Pentecostes) – é um pergaminho desdobrado entre o céu e a terra, sobre o qual estão escritas palavras de Deus e palavras de louvor humano”. Mesmo antes que Deus se encarnasse na Torá, a Lei dada aos homens, e depois no ventre da Mulher, um primeiro degrau da “encarnação” já estava disponível ao homem que contempla a Criação e intui o Criador.

Acima de tudo, porém, Deus habita no coração do homem. Como esquecer a interpelação do apóstolo Paulo? “Não sabeis que sois o templo de Deus, e que o Espírito de Deus habita em vós? Se alguém destruir o templo de Deus, Deus o destruirá. Porque o templo de Deus é sagrado – e isto sois vós.” (1Cor 3,16)

No santuário do coração, louvemos o nosso Deus!

Orai sem cessar: “Minha Presença irá contigo, e serei o teu guia!” (Ex 33,14)

Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.