DIA 28 DE JANEIRO – QUARTA-FEIRA

SANTO TOMÁS DE AQUINO – PRESBÍTERO E DOUTOR

Evangelho (Marcos 4,1-20)

Naquele tempo, 4 1 Jesus pôs-se novamente a ensinar, à beira do mar, e aglomerou-se junto dele tão grande multidão, que ele teve de entrar numa barca, no mar, e toda a multidão ficou em terra na praia.
2 E ensinava-lhes muitas coisas em parábolas. Dizia-lhes na sua doutrina:
3 “Ouvi: Saiu o semeador a semear.
4 Enquanto lançava a semente, uma parte caiu à beira do caminho, e vieram as aves e a comeram.
5 Outra parte caiu no pedregulho, onde não havia muita terra; o grão germinou logo, porque a terra não era profunda;
6 mas, assim que o sol despontou, queimou-se e, como não tivesse raiz, secou.
7 Outra parte caiu entre os espinhos; estes cresceram, sufocaram-na e o grão não deu fruto.
8 Outra caiu em terra boa e deu fruto, cresceu e desenvolveu-se; um grão rendeu trinta, outro sessenta e outro cem”.
9 E dizia: “Quem tem ouvidos para ouvir, ouça!”
10 Quando se acharam a sós, os que o cercavam e os Doze indagaram dele o sentido da parábola.
11 Ele disse-lhes: “A vós é revelado o mistério do Reino de Deus, mas aos que são de fora tudo se lhes propõe em parábolas.
12 Desse modo, eles olham sem ver, escutam sem compreender, sem que se convertam e lhes seja perdoado”.
13 E acrescentou: “Não entendeis essa parábola? Como entendereis então todas as outras?
14 O semeador semeia a palavra.
15 Alguns se encontram à beira do caminho, onde ela é semeada; apenas a ouvem, vem Satanás tirar a palavra neles semeada.
16 Outros recebem a semente em lugares pedregosos; quando a ouvem, recebem-na com alegria;
17 mas não têm raiz em si, são inconstantes, e assim que se levanta uma tribulação ou uma perseguição por causa da palavra, eles tropeçam.
18 Outros ainda recebem a semente entre os espinhos; ouvem a palavra,
19 mas as preocupações mundanas, a ilusão das riquezas, as múltiplas cobiças sufocam-na e a tornam infrutífera.
20 Aqueles que recebem a semente em terra boa escutam a palavra, acolhem-na e dão fruto, trinta, sessenta e cem por um”.

Palavra da Salvação.

Meditando a Palavra

Saiu o semeador a semear… (Mc 4,1-20)

Quem é o semeador desta parábola? É o próprio Jesus – responde Romano Guardini [1885-1968]. A semente? É a palavra da Boa Nova. O campo? O coração do homem.

Assim, o mesmo Jesus que se apresentara como pastor de ovelhas (Jo 10,11), como o noivo no casamento (Mt 25,1ss), como o samaritano cheio de misericórdia (Lc 10,30ss), identifica-se agora como alguém que prepara sua plantação.

Notar que Jesus não perde tempo com vocabulário técnico, não fala de hermenêuticas e parusias, não fala de perícopes e arcanos teológicos. Ele é absolutamente simples: inspira-se nas coisas mais concretas, mais palpáveis, ao alcance do povo, situações das quais extrai lições às vezes inesperadas.

“Esta parábola é tão transparente – comenta Guardini – que não há muita coisa diferente a explicar, ainda mais que o próprio Jesus já a explicara. Se, porém, queremos meditá-la com proveito, devemos extrair dela certos detalhes, fazer aproximações com a vida e ver o que tais aproximações tornarão visível.

O mensageiro de Deus é um semeador e o que ele traz é o grão da semente, algo vivo que pode criar raízes, desenvolver-se, dar fruto. O que vem de Deus não é uma coisa acabada; ao contrário, é um começo.

O grão pode ter formas muito diversas. Pode ser uma frase em uma alocução ou em um livro, um acontecimento alegre ou triste, a conduta de um homem ou a entonação de uma resposta. Esse grão da semente pode assumir as formas mais variadas, até mesmo bizarras, às vezes loucas. Trata-se, porém, de saber se o homem o recebe, se lhe dá lugar. Então, alguma coisa começa a trabalhar: ela se desenvolve etapa por etapa.

Poder-se-ia dizer muitas coisas semelhantes a estas, o que acabaria sempre voltando a explicar esta proposição fundamental: as coisas de Deus não chegam com resultados prontos, mas como começos cheios de vida; elas não formam um sistema rígido, mas se desenvolvem ao crescerem de forma em forma.

Além disso, é preciso que o homem se prepare para aquilo que virá, que o acolha e se comprometa com isso perfeitamente. Então, a lógica da vida divina o conduzirá, etapa por etapa.”

Mais uma vez, aprendemos que a ação de Deus em nossa vida não é algo reservado a um grupo de sábios iluminados, como os pretensos “doutores da Lei”. O grupo dos apóstolos, as mulheres que seguiam Jesus, o publicano que trepa na árvore para ver o Mestre – eis aí uma amostra do pobre campo onde Deus lança sua semente.

Este campo, somos nós…

Orai sem cessar: “Eis-me aqui, ó Pai, para fazer a tua vontade!” (Hb 10,9)

Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.