Sabiam quem ele era… (Mc 1,29-39)

O Evangelista Marcos afirma categoricamente que os demônios identificavam em Jesus o Messias prometido. E se tentavam dizê-lo pela boca de seus possuídos, eram prontamente silenciados pelo Mestre de Nazaré. Certamente, não convinha que isto fosse ventilado…

Em áspero contraste com o conhecimento dos demônios, contemplamos a ignorância dos homens, conforme registra São João no prólogo de seu Evangelho: “Ele (o Verbo de Deus) veio para o que era seu, e os seus não o acolheram.” (Jo 1,11.) Como explicar esta recusa?

E não foi por falta de sinais da parte de Jesus. Ele falava em nome do Pai e não escondeu sua filiação divina. Além dos milagres realizados – cegos que veem, surdos que ouvem, paralíticos que andam, mortos ressuscitados, tempestade acalmada, pães multiplicados – o próprio Jesus venceria a morte e retomaria sua vida. Nada disso foi suficiente para quebrar a incredulidade de seu povo. Como entendê-lo?

Uma das teorias a esse respeito é que Jesus Cristo não teria correspondido ao “modelo” de Messias que estava gravado no inconsciente coletivo de Israel. Esperava-se por um Libertador que devolvesse a Israel o brilho dos tempos salomônicos, expulsando para o mar os dominadores romanos. O excesso de politização teria impedido que reconhecessem a mansidão do Cordeiro que mandava guardar a espada na bainha…

Outra teoria afirma que Jesus foi recusado porque causava prejuízos… Sim, os dirigentes religiosos viram em Jesus uma ameaça para seu prestígio junto ao povo. Mais de uma vez suas artimanhas foram desmascaradas pelo Rabi. Os dirigentes políticos temiam que Jesus se transformasse em um guerrilheiro ou líder revolucionário, fazendo tremer os alicerces do poder. Exemplo desse “prejuízo” aconteceu quando Jesus expulsou os demônios para uma vara de porcos (cf. Mt 8,31-34) e estes se precipitaram no mar. De imediato, os criadores pediram que Ele fosse embora dali…

Se o pai de Francisco de Assis o deserdou porque o filho distribuía seus tecidos aos pobres, deve haver muita gente despachando Cristo de suas vidas com medo de prejuízos semelhantes.

E nós? Sabemos quem é Jesus Cristo em nossa vida? Ou também preferimos evitá-lo, temendo que nos cause prejuízos?

Orai sem cessar: “Senhor, vós sois minha parte de herança!” (Sl 16,5)

Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.