Quem vos ouve, a mim ouve… (Lc 10,13-16)

Nós sabemos que a Igreja é o Corpo de Cristo. O ensinamento paulino não deixa nenhuma dúvida a este respeito. Neste “corpo”, Cristo é a cabeça; nós, os membros. (Cf. Rm 12,4-5; 1Cor 12,12ss; Ef 5,30; Cl 1,18.)

Por isso mesmo, Cristo e sua Igreja são inseparáveis, vivem em simbiose, uma vida comum. São Cirilo de Jerusalém observa que nós, ao participarmos da Santíssima Eucaristia, alimentando-nos com o Corpo e o Sangue de Cristo, nos tornamos com ele um só corpo (sýssomos) e um só sangue (sýnaimos).

E São João Crisóstomo ouve dizer-lhe o Cristo: “Desci novamente à terra, não só para me misturar com os da tua gente, mas também para te abraçar: deixo-me comer por ti e deixo-me partir em pequenos pedaços, para que a nossa união e amálgama sejam verdadeiramente perfeitas. De fato, enquanto os seres que se unem mantêm perfeitamente distinta a sua individualidade, Eu, invés, formo uma unidade contigo. Aliás, não quero que nada se meta entre nós; só quero o seguinte: que ambos formemos uma só coisa”.

Além dessa união individual com cada fiel, cada batizado, Jesus Cristo está unido a toda a Igreja. O Espírito Santo, dado à Igreja em Pentecostes, é o mesmo Espírito de Jesus, que ele, na cruz, entrega ao Pai: “Pai, nas tuas mãos entrego o meu Espírito”. (Lc 23,46.) O Espírito Santo é o “outro Consolador” (cf. Jo 14,16) que Jesus prometera pedir ao Pai.

Quando a sociedade humana olha para a Igreja como se ela fosse apenas uma organização jurídica, administrativa e hierárquica, ignora sua realidade mística, isto é, sua profunda identidade com o próprio Senhor. Fixam seu olhar desatento apenas nas aparências externas, deixando de perceber a vida de Deus que pulsa na Igreja, sua profunda unidade com Cristo.

Se tivessem noção dessa in-corporação, certamente aceitariam que Deus fala pela boca da Igreja, mesmo quando esta, com base no Evangelho, parece emitir conceitos e sugerir princípios éticos para o tratamento de questões estranhas à sua natureza íntima, como quando analisa problemas sociais, ambientais e econômicos.

Há muita gente falando mal da Igreja, como se ela fosse apenas uma sociedade humana, um clube de religiosos. No fundo, ainda se ouve a voz do Senhor: “Quem vos ouve, a mim ouve. Quem vos rejeita, é a mim que rejeita. Quem me rejeita, rejeita o Pai, que me enviou.” (Lc 10,16)

Orai sem cessar: “Já não sou eu que vivo, é Cristo que vive em mim.” (Gl 2,20)

Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.