Quem são meus irmãos? (Mc 3,31-35)

Jesus, como de hábito, está cercado pela multidão impenetrável. Inesperadamente, um grupo de pessoas de seu clã procura por ele, arrastando consigo a Mãe de Jesus. A intenção deles é desviá-lo de seu ministério, julgando-o louco (cf. Mc 3,21).

Avisado da presença deles, Jesus olha para seus ouvintes e pergunta: “Quem são os meus irmãos?” Em seguida, o Mestre estabelece um contraste entre a família formada pelos laços de sangue, a família biológica, por um lado, e aquela família que nasce da acolhida e da obediência à Palavra de Deus.

Não raro, o fiel se vê diante da exigência de uma definição e, mesmo, de uma ruptura quando a obediência ao chamado de Deus entre em choque com os laços de sangue. Foi o caso de Edith Stein – hoje canonizada como Teresa Benedita da Cruz. Nascida em família judaica, ao ler um livro de Santa Teresa de Ávila, Edith experimentou uma descoberta de Jesus Cristo que a iniciou em um itinerário de conversão para o cristianismo. Sua adesão ao Evangelho foi vista pela família como autêntica traição às raízes judaicas. Apenas uma irmã lhe deu apoio e compreensão.

Ainda hoje, em países de maioria muçulmana e hindu, é comum que um convertido ao cristianismo enfrente oposição, perseguições e até a morte. E assim fica evidente a oposição entre uma pertença familiar ou social e a obediência ao chamado de Deus, que fala aos corações.

Vivendo em uma sociedade que retoma progressivamente a visão de mundo do paganismo – prazer, poder, acumulação, materialismo… -, todos nós somos interpelados a fazer escolhas. De um lado, os ditames do Evangelho, que convidam à fraternidade, ao perdão, à vida sóbria, à dependência de Deus; do lado oposto, os contravalores do mundo: individualismo, vingança, posse, autonomia.

Como consequência direta de nossas escolhas, nós seremos – ou não – membros da família de Deus. E Jesus a responder à sua própria pergunta: “Quem faz a vontade de Deus, esse é meu irmão, minha irmã e minha mãe”…

Na parábola dos “filhos desiguais” (cf. Mt 21,28ss), Jesus apresenta dois “filhos” convidados pelo pai ao trabalho na vinha. Um discorda, mas acaba obedecendo; o outro diz que aceita, mas não vai. É o retrato visível de nossa situação. Se não obedeço, não sou filho… não sou irmão…

Orai sem cessar: “Eis-me aqui, ó Pai, para fazer a tua vontade!” (Hb 10,9)

Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.