Quem pode perdoar pecados… (Lc 5,17-26)

Nós corremos sempre o risco de valorizar as coisas visíveis e nem mesmo perceber a ação misteriosa de Deus em nossas vidas. Assim, neste Evangelho, temos os dois planos da ação divina: o exterior (devolver os movimentos a um paralítico) e o interior (perdoar os seus pecados).

Em um primeiro momento, comovido pela fé dos quatro amigos que, diligentemente, trouxeram o enfermo à sua presença, Jesus lhe confere o perdão dos pecados. Claro que isto não se nota “do lado de fora”, é um milagre íntimo da onipotente misericórdia de Deus. Os escribas e fariseus ali presentes entendem as palavras de Jesus como autêntica blasfêmia, pois “só Deus pode perdoar pecados”. Não podem crer na transformação ocorrida naquele doente.

Logo, em tom de desafio, Jesus ordena ao paralítico que se erga do catre e volte para casa, carregando a enxerga. Isto, sim, podia ser visto e comprovado. E Jesus o fez como sinal de que seu primeiro gesto também fora verdadeiro.

Deixando de lado a evidência de que muitos males físicos têm como raiz algum tipo de pecado crônico, fixemos nosso pensamento em um ponto de máxima atualidade. Nossa sociedade está paralisada diante das crises e desafios do novo milênio. Violência e insegurança, corrupção e depravação dos costumes, rebeldia e choque de gerações – de todos esses males, brota na humanidade uma terrível sede de reconciliação. Vale a pena recordar as palavras do saudoso Papa João Paulo II:

“O mesmo olhar indagador, se é suficientemente perspicaz, captará no seio da divisão um desejo inconfundível, da parte dos homens de boa vontade e dos verdadeiros cristãos, de recompor as fraturas, de cicatrizar as lacerações e de instaurar, em todos os níveis, uma unidade essencial. Este desejo comporta, em muitos casos, uma verdadeira nostalgia de reconciliação, mesmo quando não é usada tal palavra.” (Reconciliação e Penitência, 3.)

A causa mais profunda da doença existencial de nosso tempo, que se manifesta como stress e depressão, vazio e ausência de sentido, pode ser identificada como um sentimento de culpa que rói a alma humana. Lá no fundo, o homem sabe que se afastou do Pai, recusou sua voz, maculou sua imagem.

Como o pródigo do Evangelho, o homem “sabe” que existe um lar à sua espera. E intui que a comida dos porcos não alimentará seu espírito. Por isso mesmo, tem saudades de Deus. Por que, então, não voltar à casa do Pai?

Orai sem cessar: “Volta, Israel, ao teu Senhor!” (Os 14,1)

Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.