Quando alguém se torna rico… (Sl 49 [48])

Aqui e ali, nos salmos, transparece o mal-estar diante do aparente sucesso do homem injusto, como se não valesse a pena seguir os preceitos do Senhor. Creio que o fiel deveria se dar por contente com sua experiência de Deus, sem arregalar os olhos para a fortuna acumulada por outros que parecem lucrar com o mal e a injustiça.

De qualquer modo, o salmista nos exorta a não ter medo, isto é, a não nos inquietarmos com o luxo e a abundância de algum infiel. A aparente felicidade pode ser enganosa. Nestes tempos de políticos e empresários que enriquecem com o dinheiro do povo, é bem atual o comentário de Santo Agostinho:

“O que sucede aos que querem prosperar na terra? Vês um homem malvado progredindo em tudo, e talvez teus pés vacilem, enquanto dizes a ti mesmo: ‘Ó Deus, conheço bem as ações deste homem, os crimes que praticou e, no entanto, progride, causa terror, domina, orgulha-se, não tem dor de cabeça, não sofre perdas em casa; e terás medo de ter acreditado e provavelmente sugere-te o coração: Ai de mim! Nada me adianta ter acreditado, pois Deus não cuida das coisas humanas. Deus, entretanto, nos desperta. Como?”

Agostinho prossegue: “Por que recear se um homem enriquece? Tinhas medo de ter acreditado em vão, de perder o trabalho de tua fé e a esperança de tua conversão. […] Vês que outro obteve lucro fraudulento, e nada sofreu; e tens medo de ser bom. ‘Não temas’ – diz o Espírito de Deus – ‘quando um homem enriquece.’ Queres ter olhos só para as coisas presentes? O Ressuscitado prometeu bens futuros; quanto à paz nesta terra e ao repouso nesta vida, não há promessa. Cada um procura ter repouso; é boa coisa o que deseja, mas não a procura onde se encontra. Não existe paz nesta vida. Foi-nos prometido alcançarmos no céu aquilo por que anelamos na terra. Há promessa de termos no século futuro o que queríamos ter aqui”.

Pessimista o pregador? Não. Apenas realista. O coração humano não pode ser preenchido com moedas de prata nem colares de ouro. Um maço de ações na Bolsa de Valores não pacifica a alma, cuja sede só o amor de Deus pode saciar. Além disso, ouro, prata e ações evaporam num átimo. Na semana em que escrevo, um empresário brasileiro viu cerca de 20 bilhões escorrerem pelo ralo. A traça roeu (Mt 6,19-20).

Agostinho manda contemplar o ricaço: “Tem aqui muito ouro, muita prata, muitos prédios, escravos. Morre. Fica tudo isso, e ele não sabe para quem”.

São estes os bens que procuramos acumular?

Orai sem cessar: “O temor do Senhor será o seu tesouro…” (Is 33,6)

Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.