… perder sua vida por minha causa…(Mt 10,34-11,1)

Quem se espanta com este Evangelho não ouviu falar dos primeiros cristãos lançados aos leões no Coliseu romano.

Não ouviu falar dos bispos condenados às minas de metal. Não ouviu falar dos 26 católicos de Nagasaki, crucificados em 5 de fevereiro de 1597, por ordem do xogum Toyotomi Hieyoshi. Não tem visto recentemente a TV e ignora os milhares de cristãos assassinados no Sul do Sudão, nos últimos meses…

Todos estes “perderam sua vida por causa de Jesus Cristo”. E nenhum deles se fez de vítima ou de coitadinho; antes, se alegraram pela honra inestimável de dar a vida pelo mesmo Salvador que derramara por eles o próprio sangue.

Vamos ouvir o pedido de um deles, Inácio de Antioquia [+110 d.C.], bispo e mártir, quando era levado preso para ser martirizado em Roma:

“Eu vos conjuro, irmãos, não tenhais para comigo uma benevolência inoportuna! Deixai-me ser pasto das feras, pelas quais chegarei a Deus. Sou o trigo de Deus, moído pelos dentes das feras para tornar-me o pão puro de Cristo.

Acariciarei, antes, as feras, para que venham a ser meu túmulo e nada rejeitem do meu corpo. Assim, depois de morto não serei pesado a ninguém…

Então, quando o mundo não puder mais ver o meu corpo, serei verdadeiramente discípulo de Cristo. Rogai a Cristo para que, por esses dentes, me torne um sacrifício para Deus. […]

Da Síria a Roma, por terra e mar, dia e noite, já venho lutando com as feras, pois estou acorrentado entre dez leopardos. Refiro-me à escolta que me conduz, que se mostra pior quanto melhor é tratada. Contudo, nas suas injúrias eu muito aprendo, embora ‘não seja por isso que sou justificado’ (1Cor 4,4).

Oxalá eu chegue às feras que me estão preparadas, oro para encontrá-las ávidas. Se for necessário, agradá-las-ei para que me devorem depressa e não façam como diante de certos cristãos: atemorizadas, não ousaram tocá-los. É agora que começo a ser verdadeiro discípulo. Que nenhuma coisa, visível ou invisível, me impeça de obter a posse de Jesus Cristo!”

Não passou o tempo dos mártires. O Arcebispo de San Salvador, Dom Oscar Romero, o Cardeal mexicano Posadas Ocampo e Irmã Dorothy Stang aí estão para nos animar na missão de anunciar a Boa Nova e defender os perseguidos do sistema. Vidas dadas por amor a Cristo…

Orai sem cessar: “O Senhor é quem defende a minha vida!” (Sl 27,1b)

Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.