Hoje a nossa família religiosa se alegra em celebrar o nascimento se seu fundador: Padre Júlio Chevalier. No livro “Notas Íntimas”, encontramos uma auto-apresentação: “Nasci em Richelieu (Indre-et-loire), no dia 15 de março de 1824 e fui batizado no dia seguinte, com o nome de João Júlio. Meus pais eram cristãos e muito honestos. Sem serem ricos, gozavam de um modesto bem-estar, e o trabalho, a disciplina e a economia faziam prever dias ainda melhores.”

Sabemos que Chevalier encontrou algumas dificuldades em seguir sua vocação, a qual já o inspirava desde criança. As condições econômicas de sua família, os aspectos sociais deixados pela Revolução Francesa, a maneira como a Igreja acolhia e preparava seus seminaristas nem sempre foram favoráveis à vontade que Júlio tinha de ser padre.

Mas, pela graça de Deus, os obstáculos se tornaram meios.

Já no seminário, apesar das condições adversas, Júlio Chevalier se dedicava a, cada vez mais, escutar e seguir a voz de Deus que o chamava. Durantes os estudos de teologia, estudando o tratado da encarnação e se aprofundando na devoção ao Sagrado Coração de Jesus pelos escritos de Santa Margarida Maria, descreve o que sentiu: “essa leitura despertou em mim um vivo desejo de me fazer apóstolo dessa devoção que o próprio Nosso Senhor apresentava ao mundo, como um meio poderoso de santificação e que desejava ver difundida por toda parte. Para corresponder ao seu apelo planejei reunir, quando me tornasse padre , alguns confrades piedosos e cheios de zelo, para juntos trabalharmos na propagação do culto ao Sagrado Coração.”

Depois de alguns anos vira seu sonho se realizar e hoje, do céu, continua a interceder que aquela causa a qual devotou sua vida toda seja levada adiante. Nós também, louvemos a Deus pela vida deste seu servo, que quis ver amado por toda a parte o Sagrado Coração de Jesus, e peçamos a graça de tê-lo como intercessor e exemplo de vida para toda a Igreja.