Pão nosso… (Lc 11,1-4)

Sim, o Pai é nosso, ensinou Jesus. Mas não parou aí. Segundo o Mestre de Nazaré, também o pão é nosso. E o grande escândalo acontece quando aqueles que se dizem irmãos – têm o mesmo Pai! – não podem comer do mesmo pão. Enquanto alguns desperdiçam, muitos passam fome…

Não foi assim no começo. A leitura do livro dos Atos dos Apóstolos revela um estado de coisas bem diferente: “Partiam o pão nas casas e tomavam a comida com alegria e singeleza de coração…” (At 2,46b.) “Não havia entre eles nenhum necessitado… Repartia-se a cada um deles conforme a sua necessidade.” (At 4,34-35.) Por que será que as coisas mudaram. Quando será que se perdeu esse sentimento de fraternidade? Como teríamos aprendido a comungar do Pão eucarístico, lado a lado com nosso irmão que passa fome?

Uma vez, um jovem francês foi questionado por colegas sem fé, que lhe perguntavam onde estava a caridade dos cristãos. Frederico Ozanam, esse jovem, decidiu dar uma resposta ao desafio. Algum tempo depois, fundaria a Sociedade São Vicente de Paulo, hoje espalhada por todo o mundo, levando um pedaço de pão e uma cesta básica a milhões de deserdados do sistema.

Ao escolher Vicente de Paulo como patrono, Ozanam se inspirava em outro homem de Deus, um simples sacerdote que sabia atrair a amizade dos ricos (sem ameaçá-los com o fogo do inferno) e jeitosamente tirava dos mais abastados aquelas moedinhas que alimentariam os sem-pão. Ao longo da história da Igreja, numerosos homens e mulheres viveram em profundidade essa vocação de distribuir o pão, semear a esperança, irradiar o saber. Fundadores como Dom Bosco, José de Calasanz, Joana de Lestonnac, Paula Montal, Dom Orione e, recentemente, Madre Teresa de Calcutá, compreenderam que não podiam guardar para si mesmos os dons que o Pai celeste destinara a todos.

Estes santos – canonizados não pelos milagres que fizeram, mas pelo “milagre” que eles foram – compreenderam em profundidade o sentido do “pão nosso”, sem o qual desmentimos o “Pai nosso”. Afinal, que Pai é esse, que dá a alguns com sobra e, ao mesmo tempo, deixa a multidão faminta?

Com certeza, também o Pai deve chorar, quando vê o destino de seus dons: alguns filhos morrem de fome, enquanto outros devoram o pão de seus irmãos…

Orai sem cessar: “Não desvies o rosto do pobre!” (Sr 4,4)

Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança