30/07/2015

Os anjos virão separar… (Mt 13,47-53)

Aqui em baixo, as coisas andam meio misturadas. Às vezes, parece difícil distinguir entre verdade e mentira, virtude e pecado, lícito e ilícito.

Até os sexos andam confusos! E alguns impacientes chegam a acusar o próprio Deus de neutralidade e indiferença perante a situação…

Nesta situação, é fácil cair no desespero, como se nada tivesse remédio. É comum também assumir uma atitude de cinismo, a ponto de professar orgulho dos próprios erros, gabar-se dos próprios crimes, da própria corrupção. Pena que a justiça humana não tem sido muito animadora, deixando no ar um clima de impunidade que gera consequências no campo da educação e da vida social.

Bem, o filme ainda não acabou. O desfecho pode demorar, mas virá. E se as redes voltam do fundo trazendo, lado a lado, atuns e cocorocas, os pescadores sabem distinguir entre o peixe bom e o peixe ruim. E virá o tempo da separação.

A imagem da rede foi escolhida por Jesus ao falar do julgamento no fim dos tempos. Nós o chamamos de Juízo Final, quando a glorificação de Cristo chegará a seu clímax e haverá um acerto de contas para toda a humanidade.

Eis o que ensina o “Catecismo da Igreja Católica” [678]: “Na linha dos profetas e de João Batista, Jesus anunciou em sua pregação o Juízo do Último Dia. Então será revelada a conduta de cada um e o segredo dos corações. Será também condenada a incredulidade culpada que fez pouco caso da graça oferecida por Deus. A atitude em relação ao próximo revelará o acolhimento ou a recusa da graça e do amor divino”.

Ora, Jesus não veio para condenar, mas para salvar. Quem se condena é o próprio homem que prefere o erro e escolhe intencionalmente o caminho do ódio e da rapina, da violência e do abuso do próximo. E isto não ficará impune!

No fim do mundo, diz Jesus, “os anjos virão para separar os maus dos justos, e lançarão os maus na fornalha de fogo”. A imagem do fogo – hoje objeto de zombarias – deveria ser levada mais a sério por todos nós. O fogo aquece e cauteriza, mas também queima e destrói. E a Segunda Vinda do Senhor certamente destruirá o mal pela raiz no novo Reino por ele anunciado.

Quando o homem se arrepende e faz penitência, quando confessa seus pecados e assume um caminho de conversão, recebendo ainda na história o perdão e a graça, ele antecipa o próprio julgamento e escapa do fogo eterno.

Que tipo de peixe sou eu?

Orai sem cessar: “Escolhi o caminho da verdade!” (Sl 119,30)

Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança