Onde o tesouro, aí o coração… (Mt 6,19-23)

Já ouvi pessoas a dizerem frases como esta: “Se eu ganhasse na loteria esportiva, todos os meus problemas estariam resolvidos!” Por um lado, este filósofo considera que a economia e as finanças determinam o sentido de sua vida; por outro lado, absolutiza o dinheiro, dele fazendo um ídolo. E Deus cede seu lugar no pedestal…

No Evangelho de hoje, Jesus aponta para o caráter efêmero, transitório e, por isso mesmo, relativo dos bens deste mundo. Você junta um tesouro e pode perdê-lo para o cupim (que rói) ou para o ladrão (que rouba). Quantas vezes uma mulher juntou moeda por moeda e, enfim, conseguiu comprar o vestido fino (e caro!) que ocupava os seus sonhos. Pouco depois, ao abrir o guarda-roupa, vê que as traças fizeram um rendilhado no seu “tesouro”!

Claro que Jesus não estava preocupado com nossos prejuízos materiais! Ele lamenta que nossa loucura nos leve a orientar nossa vida para acumular valores relativos e, em consequência, deixemos de lado ou em segundo plano o valor absoluto, que é o amor do Pai. “Porque onde está o teu tesouro, aí está o teu coração.”

O tesouro pode ser um diploma sonhado. Pode ser o “marido ideal”. Pode ser um bichinho de pelúcia, sem o qual a noite se transforma em pesadelo. E como Deus nos quer livres e espiritualmente maduros, sempre usará da pedagogia de nos levar a perder o “tesouro” (com minúscula), tentando abrir nossos olhos – e nosso coração! – para o Tesouro (com maiúscula)…

Jesus faz referência a um tal “olho doente”, que pode envolver em trevas toda a nossa pessoa. O Apóstolo João fala da “concupiscência dos olhos” (1Jo 2,16), essa avidez que atrai nossa atenção para os brilharecos deste mundo e nos distrai do Senhor. E não deixa de ser trágico gastar toda a vida para acumular aquilo que não poderemos levar para a eternidade: casas, terras, dinheiro, carros, sucesso…

Lembram-se do jovem rico que desejava seguir a Jesus? Era bom e justo, mas apegado a sua herança. Esse apego o impediu de dar o grande passo de sua vida. Desde o início, a Igreja descobriu que o seguimento fiel a Jesus exigia o amor à vida sóbria e à simplicidade, daí o voto de pobreza.

E quanto a nós? Onde está o nosso tesouro? Onde ancoramos o nosso coração?

Orai sem cessar: “Se vos possuo, nada mais me atrai na terra!” (Sl 73,25b)

Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.