Onde está o Rei?… (Mt 2,1-12)

O verdadeiro fiel é alguém que faz perguntas. Exatamente por ter fé, ele interroga. Os homens de fé atravessam a história a interrogar. Astros e estrelas recebem seus questionamentos. O ciclo das horas e das estações, sismos e tempestades, anúncios e profecias – tudo é motivo para questionar, perguntar, interrogar. O homem de fé sabe que tem de haver uma resposta…

Neste Evangelho, no solene dia da Epifania – a manifestação de Deus acima dos véus dos mistérios -, a pergunta é apresentada por magos pagãos, gente não incluída no povo que recebera a Palavra desde o Sinai. Ouçamos Urs von Balthasar:

“O Evangelho descreve a vinda dos astrólogos pagãos que viram erguer-se a estrela da redenção e a seguiram. Deus lhes dirigiu a palavra através de um astro inabitual no meio de suas constelações habituais, e esta palavra os comoveu e levou-os a prestar ouvidos, enquanto Israel, habituado à palavra de Deus, tornou-se surdo a tais palavras de revelação: ele não quer ser perturbado no curso habitual de suas dinastias. Tal como a Igreja, com frequência, quando um santo a desconcerta com sua mensagem.

A pergunta inocente desses estrangeiros – “Onde está o rei que acaba de nascer?” – apresentada aos judeus ou à Igreja, cria embaraços e até medo. A consequência junto a Herodes será um projeto assassino prudentemente velado; mas os astrólogos, guiados pela estrela, chegam a seu objetivo, prestam homenagem ao Menino e se esquivam, orientados pela providência de Deus, sem serem inquietados.

O acontecimento é simbólico; ele anuncia a eleição dos pagãos. Mais de uma vez, Jesus encontrará entre eles uma fé maior do que em Israel. Muitas vezes, são esses convertidos (raramente desejados) que abrem para a Igreja novos e fecundos caminhos (cf. At 9,26-30).”

O burguês – inclusive o cristão acomodado – não tem o costume de fazer muitas perguntas. As coisas são como são e… a vida segue. No máximo, pergunta-se sobre o clima de amanhã e a cotação da Bolsa de Valores. O resto, deixar correr…

E quem sou eu? De onde venho? Para onde vou? Por que Deus me chamou à existência? Qual a minha missão? Qual a minha contribuição para a sociedade humana? Qual a vontade de Deus para mim? Seria bom perguntar…

Orai sem cessar: “Se quiserdes saber, é só perguntar!” (Is 21,12b)

Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.