O anjo, porém disse aos pastores: “Não tenhais medo! Eu vos anuncio uma grande alegria, que será para todo o povo: Hoje, na cidade de Davi, nasceu para vós um Salvador”. (Lc 2.10)

O natal do Senhor nos ajuda a entender que pelo mistério da encarnação, Deus estabeleceu um vínculo de comunhão profunda entre o divino e o humano. O Filho de Deus se tornou o ponto de encontro deste movimento que une o céu e a terra.

Celebrar o nascimento do menino Jesus, é acolher a realização deste gesto de ternura e comunhão de Deus na história da humanidade. Viver esta dimensão do natal é experimentar a graça da reconciliação. Deus, apesar da dureza do coração humano, acredita na possibilidade da comunhão. São João Paulo II dizia que o natal é a “festa da comunhão, a festa do homem”. “Quando Deus se encarna, efetua-se a sua humanização e a divinização do homem”, dizia ele. Portanto, a encarnação possibilita a recuperação da dignidade original do ser humano.

A encarnação do Filho de Deus não baniu do mundo a história do pecado, embora ela consista na possibilidade concreta de sua superação. É bom que se diga que não estamos imunes às quedas, aos fracassos e aos infortúnios da vida humana. Porém, agora, fortalecidos e revigorados pelo Filho de Deus encarnado, seremos capazes de superar as marcas do pecado. Sendo assim, o nascimento de Jesus é um convite à construção de novas relações.

Neste espírito de redescobrir o novo, quero desejar a você meu irmão um FELIZ E SANTO NATAL. Que a celebração do nascimento de Jesus, seja para todos nós, o reconhecimento da benevolência de Deus em nosso meio.

No Coração de Jesus,

Pe. Edvaldo Rosa de Mendonça, MSC