O seu libertador… (Sl 78 [77])

Só temos dois caminhos: a liberdade com Deus ou a escravidão sem Deus. A condição de “criatura” – que é a nossa – é a condição de ser incompleto. Não somos autônomos, não nos bastamos. Só Deus nos basta, só ele nos preenche.

Recuando o seu senhorio, ficamos desarmados diante de outros patrões que rondam nossa casa permanentemente. Sem Deus, acabamos tiranizados pela carne ou pelos demônios.

É uma grave ilusão o sentimento de que Deus nos prende com seus mandamentos. Ilusão semelhante leva alguns a avançarem o sinal vermelho que lhes dá segurança. Até os antigos, com o mito de Ícaro, já haviam entendido que o homem não pode ir além de sua medida de criatura. A mística cristã intuiu que ninguém é mais livre do que quem abre mão da pretensão de onipotência, abandonando-se nas mãos de Deus.

O homem rebelde se recusa a dobrar a cerviz (região cervical) diante da vontade amorosa de Deus, pensando com isso manter-se livre. Ledo engano! É exatamente pelo pescoço, o ponto mais frágil do corpo humano, que os vencidos na guerra são escravizados com coleiras de ferro.

No Antigo Testamento, o Senhor se refere a Israel como um “povo de dura cerviz”, isto é, renitente e empacado como um jumento (cf. Dt 31,27; Ne 9,29). Antes de ser lapidado, o primeiro mártir cristão, Estêvão, apontou a obstinação de quem se recusa a acolher a Palavra de Deus: “Homens de dura cerviz e de corações e ouvidos incircunciso! Vós sempre resistis ao Espírito Santo! Como procederam os vossos pais, assim procedeis vós também!” (At 7,51)

Conscientemente ou não, é como se alguém preferisse o estado de escravidão, ao recusar a oportunidade de uma vida livre em Deus, abrindo mão de seus vícios, degradações morais e intelectuais, e de uma vida centrada em si mesmo.

Deus é nosso único Libertador. É uma pena que os excessos cometidos por alguns teólogos da libertação tenham posto sob suspeita uma palavra tão rica: Libertação! Lamento igualmente que se tenha perdido o sentido da palavra Redentor, o adjetivo que acompanha o Cristo no alto das montanhas.

Em sua etimologia, “redentor” [do latim re + emere, isto é, “comprar de novo”] é aquele que vai ao mercado de escravos, paga seu resgate e quebra os grilhões que os prendiam. Cristo Redentor é o Cristo Libertador. São Paulo recorda-nos esse resgate e seu alto preço: “Ignorais que não pertenceis a vós mesmos? De fato, fostes comprados, e por preço muito alto!” (1Cor 6,20) Só faltou acrescentar: vocês custaram o sangue de Cristo!

Orai sem cessar: “Senhor, tu me livraste da morte! (Sl 56,13)

Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.