O Senhor é minha luz! (Sl 27 [26])

Comentando este salmo da Primeira Aliança, Santo Agostinho escreve: “O Senhor ilumina. Somos iluminados. O Senhor salva. Somos salvos. Fora dele somos trevas e fraqueza”. Já na Nova Aliança, o evangelista João vem afirmar: “Deus é luz, e nele não há treva alguma”. (1Jo 1,5) E acrescenta: “Se dizemos ter comunhão com ele, mas andamos nas trevas, mentimos e não seguimos a verdade”.

Este traço da natureza divina evidencia-se como uma espécie de revelação percebida pelas antigas religiões do Oriente Próximo, cujas divindades eram representadas com uma resplendente auréola. Nessas antigas mitologias, as entidades que concorriam com a divindade principal buscavam roubar-lhe o resplendor.

As primitivas cosmogonias registram um eterno combate entre as trevas e a luz, aliás, conceito retomado pelos gnósticos e pelos cátaros. E foi a luz exatamente a primeira “criatura” que o Deus da Bíblia chama à existência (cf. Gn 1,3). A seguir, seriam criados os lampadários para iluminar o dia e a noite.

Na vigília pascal, uma das leituras de nossa liturgia relata a “noite” da libertação, quando a nuvem divina se interpôs entre os israelitas e o exército egípcio que os perseguia: a “nuvem” [= presença de Deus] era luminosa do lado de Israel, mas tenebrosa do lado do Faraó (cf. Ex 14,20).

No Antigo Testamento, a recusa de Deus é vista como uma espécie de cegueira, pois a Bíblia atribui um valor espiritual à visão e à sua falta. Por oposição, uma das palavras utilizadas para designar o profeta de Yahweh era “ro’eh”, ou seja, um “vidente”. Neste sentido, a experiência religiosa seria uma “visão” de Deus e de sua luz incriada.

Jesus Cristo iria frisar que um cego não pode guiar outro cego. Na 2ª Carta aos Coríntios, Paulo denuncia a mesma cegueira: “O deus deste mundo cegou a inteligência desses incrédulos, para que eles não vejam a luz esplendorosa do Evangelho da glória de Cristo, que é a imagem de Deus”. (2Cor 4,4)

O fariseu Nicodemos escolheu a escuridão noturna para dialogar com Jesus, ouvindo do Mestre esta verdade que se aplica de modo especial ao nosso tempo: “Todo aquele que faz o mal odeia a luz e não vem para a luz, para que as suas obras não sejam reprovadas”. (Jo 3,20)

Em nossas celebrações, estão sempre presentes as velas acesas, que remetem ao Círio Pascal, fabricado com a “cera virgem de abelha generosa”. Peçamos a Deus que nunca nos falte o óleo do Espírito Santo, esse azeite que as cinco virgens sábias não deixaram faltar.

Orai sem cessar: “É na vossa luz que vemos a luz!” (Sl 36,9)

Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.