O Senhor é meu escudo! (Sl 28 [27])

A existência humana neste planeta é evidentemente uma condição agônica, isto é, de permanente combate contra forças de desagregação que tendem para o caos. Até a Sequência da Missa de Páscoa – Victimae paschali laudes – refere-se a este conflito: “Mors et vita duello conflixere mirando”, isto é, morte e vida lutam em notável combate. Não admira, pois, que sejam tão frequentes na Bíblia as imagens de caráter guerreiro: a espada da Palavra de Deus, os dardos do inimigo, as fileiras de anjos, a couraça da justiça. É neste contexto que o poeta fala de Deus como seu “escudo”.

Arma defensiva, ainda hoje vemos as tropas de choque munidas de escudos nas manifestações de rua. Em escala maior, fala-se em escudo antimíssil como proteção contra ataques terroristas. Assim, escudo é imagem de defesa e proteção.

Eis o comentário de Manfred Lurker: “Na Bíblia, o escudo é a figura da proteção concedida por Deus. A Abraão disse o Senhor: ‘Não temas, Abraão! Eu sou teu escudo!’ (Gn 15,1) Após obter uma vitória contra os filisteus, Davi com gratidão chamou a Deus de o seu escudo, seu chifre de salvação e sua praça forte. (2Sm 22,3) Enquanto o escudo oferece normalmente proteção de um lado só, o escudo de Javé dá cobertura total; assim se deve entender o Sl 3,4: ‘Tu, porém, Senhor, és escudo em torno de mim’”.

E ainda: “Apoiando-se em Efésios, João Crisóstomo compara a fé ao escudo; assim como este último faz malograr todo ataque, também a fé faz recuar todo mal. Na arte cristã, o escudo é atributo de santos guerreiros (como São Jorge) e do Arcanjo Miguel, para representar sua qualidade de batalhador contra satã ou o dragão apocalíptico”.

A mesma imagem do escudo-proteção divina está expressa no Salmo 91:

Ele [Deus] te livrará do laço do caçador, da peste funesta;

ele te cobrirá com suas penas,

sob suas asas encontrarás refúgio.

Sua fidelidade te servirá de escudo e couraça.

Não temerás os terrores da noite

nem a flecha que voa de dia,

nem a peste que vagueia nas trevas,

nem a praga que devasta ao meio-dia”. (Sl 91,3-6)

Em tempos de medo e pânico, neuroses e fobias, por que recusar o escudo do Senhor?

Orai sem cessar: “O Senhor é escudo de todos que nele se refugiam!” (Sl 18,31)

Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.