DIA 17 DE DEZEMBRO – QUARTA-FEIRA

Ó sabedoria do altíssimo, que tudo determina com doçura e com vigor: oh, vem nos ensinar o caminho da prudência!

Evangelho (Mateus 1,1-17)

1 1 Genealogia de Jesus Cristo, filho de Davi, filho de Abraão.
2 Abraão gerou Isaac. Isaac gerou Jacó. Jacó gerou Judá e seus irmãos.
3 Judá gerou, de Tamar, Farés e Zara. Farés gerou Esron. Esron gerou Arão.
4 Arão gerou Aminadab. Aminadab gerou Naasson. Naasson gerou Salmon.
5 Salmon gerou Booz, de Raab. Booz gerou Obed, de Rute. Obed gerou Jessé. Jessé gerou o rei Davi.
6 O rei Davi gerou Salomão, daquela que fora mulher de Urias.
7 Salomão gerou Roboão. Roboão gerou Abias. Abias gerou Asa.
8 Asa gerou Josafá. Josafá gerou Jorão. Jorão gerou Ozias.
9 Ozias gerou Joatão. Joatão gerou Acaz. Acaz gerou Ezequias.
10 Ezequias gerou Manassés. Manassés gerou Amon. Amon gerou Josias.
11 Josias gerou Jeconias e seus irmãos, no cativeiro de Babilônia.
12 E, depois do cativeiro de Babilônia, Jeconias gerou Salatiel. Salatiel gerou Zorobabel.
13 Zorobabel gerou Abiud. Abiud gerou Eliacim. Eliacim gerou Azor.
14 Azor gerou Sadoc. Sadoc gerou Aquim. Aquim gerou Eliud.
15 Eliud gerou Eleazar. Eleazar gerou Matã. Matã gerou Jacó.
16 Jacó gerou José, esposo de Maria, da qual nasceu Jesus, que é chamado Cristo.
17 Portanto, as gerações, desde Abraão até Davi, são quatorze. Desde Davi até o cativeiro de Babilônia, quatorze gerações. E, depois do cativeiro até Cristo, quatorze gerações.

Palavra da Salvação.

Meditando a Palavra

Origem de Jesus Cristo… (Mt 1,1-17)

Este Evangelho nos apresenta uma daquelas passagens que costumamos saltar ao ler a Escritura: um elenco de nomes estranhos, geração após geração, listando de Abraão a Maria, “da qual nasceu Jesus”.

Que teria levado o evangelista Mateus a optar por esta lista, em vez de prender logo a atenção do leitor com algum milagre ou alguma aparição angélica? Vejamos o comentário de São João Crisóstomo [347-407 d.C].

“É uma coisa espantosa ouvir dizer que um Deus, natureza inefável e que ultrapassa infinitamente nossos pensamentos, igual ao Pai, tenha descido ao seio de uma virgem, tenha-se dignado nascer de uma mulher e ter por antepassados Davi e Abraão. E que digo eu: Davi e Abraão?

É preciso incluir – o que é mais terrível – essas mulheres perdidas [Betsabé, Tamar e Ruth] de que acabamos de falar.

Que vossos pensamentos se elevem ao ouvir isto, e não admitam nada de vil em vosso espírito: é um motivo a mais para admirar que o Filho do Eterno, o Filho consubstancial de Deus, tenha sofrido ser chamado o filho de Davi para nos comunicar o título de filho de Deus; que ele tenha querido ter um pai escravo a fim de dar o Senhor como pai para o escravo. Quando ouves, pois, que o Filho de Deus é também o filho de Davi, o filho de Abraão, não duvides que tu mesmo, filho de Adão, possas tornar-te filho de Deus. Não, ele não se teria humilhado desse modo sem ter um objetivo: o de nos elevar. Ele nasceu segundo a carne para fazer-te nascer segundo o Espírito.”

Crisóstomo vai encerrar sua reflexão conjurando-nos a meditar sobre estas coisas, capazes de produzir em nós os efeitos mais salutares. De fato, Cristo não veio para evitar nossas humilhações, mas para livrar-nos delas. Veio como médico, não como juiz. Por isso Ele assume integralmente a carne dos mortais, sem pejo e sem nojo. “Tal como esses homens desposaram mulheres perdidas, assim mesmo Deus se uniu a uma natureza que caíra na fornicação”, diz o Padre da Igreja.

Se o Salvador tivesse descido do Olimpo, aéreo e espiritual, isento das mazelas humanas, ele poderia permanecer alheio às sombras de nossa condição. Tendo, porém, nascido de nossa carne e de nosso sangue, ele conhece “de dentro” as nossas fraquezas e delas se compadece. Este é o nosso Cristo…

Orai sem cessar: “E o Verbo se fez carne…” (Jo 1,14)

Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.