O nome de Jesus… (Lc 1,26-38)

Na Bíblia, o nome está ligado à missão. Ao receber a missão divina, a pessoa recebe um nome novo. Assim, Abrão passa a ser chamado Abraão [pai de uma multidão], conforme a promessa de Deus de lhe dar uma descendência incontável, apesar de casado com Sara idosa e estéril. Igualmente, Jacó, após o combate noturno com Deus, é rebatizado de Israel: “Que Deus se mostre forte”.

Na Anunciação, o Anjo Gabriel informa à Virgem Maria que seu filho será chamado Jesus (Ye-shua, “Javé salva”). Em seu nome está explicitada sua missão: salvar os homens. Por analogia, podemos dizer que, caso Gabriel fosse enviado a uma jovem de língua portuguesa, o nome do filho seria “Salvador”.

Na Igreja do Oriente, desenvolveu-se a tradição que conhecemos pelo nome de “Oração de Jesus”, praticada em mosteiros, como os do Monte Athos e do Monte Sinai, mas também pelos fiéis leigos. No Ocidente, São Bernardo de Claraval e S. Bernardino de Sena também propagaram este “método” de rezar.

O conhecido relato do “peregrino russo” registra como um andarilho aprendeu com um monge a repetir indefinidamente o nome santo de Jesus, em uma fórmula curta, à maneira de jaculatória: “Senhor Jesus Cristo, Filho de Deus, tem piedade de mim, pecador!” Na prática, podemos reduzi-la a poucas palavras, repetidas no ritmo da respiração, repassando, ou não, as contas de um rosário: “Senhor Jesus” ou, apenas, “Jesus”.

Não se trata de nenhum procedimento “mágico”, mas um processo de saturação que nos coloca em crescente intimidade com o Senhor, ao mesmo tempo que nos une em comunhão com todos aqueles que oram da mesma maneira, em todo o mundo. Em qualquer ambiente – lar, escola, trabalho, em viagem – esta oração é possível e frutuosa, reconduzindo o coração do orante à presença (tantas vezes esquecida!) de nosso Salvador.

Nome e pessoa são inseparáveis. Rezar “em nome de Jesus” é rezar em sua Pessoa. No livro dos Atos dos Apóstolos, encontramos sinais dessa prática: “… estende a tua mão para que sejam operadas curas, sinais e prodígios pelo Nome de teu santo servo Jesus”. (At 4,29-30.) E ainda: “… o temor invadiu a todos e celebravam a grandeza do Nome do Senhor Jesus.” (At 19,17.)