Notícias

Conclusões da Assembleia MSC 2018

Depois de alguns dias refletindo o tema da Vida Fraterna, os Missionários do Sagrado Coração, da Província de São Paulo, debruçamo-nos sobre temas específicos de nossa comunidade a fim de traçar diretrizes para o biênio que terminará em 2019. Os principais assuntos tratados foram: Vida Fraterna e Espiritual, Apostolado e Missão, Formação, Economia Solidária e Comunicação. As oportunidades de confraternizar também forma bem celebradas, e o encerramento deu-se com a missa presidida pelo Padre Provincial – Edvaldo Rosa de Mendonça, e seu conselho: Padres Air José, Cortez, Luís Carlos e Alex, juntamente com o bispo emérito da diocese de Pinheiro, Dom Ricardo. Cada confrade retornou à sua comunidade com as energias restabelecidas e com um novo projeto provincial a partir do qual orientaremos nossos esforços e contaremos com as orações de cada um de vocês. Que Nossa Senhora do Sagrado Coração nos tome sob seu manto e interceda por nós!... ler mais

ACOMPANHE-NOS EM NOSSA ASSEMBLEIA

Durante estes dias de Assembleia, os confrades tem a oportunidade de partilhar temas comuns e construir juntos um projeto provincial. Também são fortes os momento de oração e de confraternização. Cada dia um setor é responsável pela missa, assim, na terça-feira celebraram a missa os confrades dos setores de São Paulo, capital e interior, na quarta-feira celebraram os confrades do setor Sul de Minas. No fim do dia houve um momento muito bonito de confraternização, com um bingo solidário. Nossa Assembleia, continua e nós contamos com suas... ler mais

Ano Nacional do Laicato

A Igreja no Brasil vai celebrar, no período de 26 de novembro de 2017, Solenidade de Cristo Rei, à 25 de novembro de 2018, o “Ano do Laicato”. O tema escolhido para animar a mística do Ano do Laicato foi: “Cristãos leigos e leigas, sujeitos na ‘Igreja em saída’, a serviço do Reino” e o lema: “Sal da Terra e Luz do Mundo”, Mt 5,13-14. Segundo o Bispo de Caçador (SC), Dom Severino Clasen, presidente da Comissão Episcopal Especial para o Ano do Laicato, já era um desejo da comissão dar novo impulso, incentivo e estímulo a temática. “Sabemos que há uma grande satisfação do laicato no serviço com a Igreja, sobretudo na sua intervenção e no seu testemunho dentro da sociedade. Muitas vezes eles são esquecidos ou pouco valorizados”, diz o Bispo. Para tal, o Ano do Laicato vai desenvolver diversas atividades para criar consciência do papel do leigo na Igreja. Por exemplo, serão publicados livros que refletirão sobre os leigos. Essas publicações devem criar consciência do papel deles na Igreja, acontecerão seminários regionais e nacionais para despertar e motivar a participação, haverá a visita da Imagem da Sagrada Família, encontros e reflexões em todo o país. “É um momento oportuno para uma reflexão e desperta a consciência de que o cristão não é cristão só dentro da Igreja”, aponta. Outro momento forte ocorrerá de 23 a 27 de janeiro, o intereclesial, que refletirá sobre pastoral urbana, falando da reflexão e o cuidado com a vida. O Ano do Laicato terá como objetivo geral: “Como Igreja, Povo de Deus, celebrar a presença e a organização dos cristãos leigos e leigas no Brasil; aprofundar a sua identidade, vocação, espiritualidade e... ler mais

Assembleia MSC São Paulo – 2018

Durante os dias de 08 a 12 de janeiro de 2018, os Missionários do Sagrado Coração, da província de São Paulo, se reúnem no Centro Pastoral Santa Fé (uma casa de encontro dos Jesuítas, na capital paulista) para sua Assembleia Provincial. Este é muito momento muito bonito e profundo, em que os confrades espalhados pela mais diversas missões do Brasil tem a alegria de se reencontrar. Também há momentos de formação; neste ano o tema discutido será – “Comunidade Fraterna: um caminho possível” e o assessor é Ênio Brito, psicólogo e doutor em ciências da religião. Além disso, a comunidade provincial tem a oportunidade de analisar o caminho que vem sendo trilhado pelo grupo e propor novos rumos; é um momento de revitalização do projeto provincial e da missão. Esperamos contar com suas orações e ser acompanhados pela intercessão de Nossa Senhora do Sagrado Coração, a fim de que estejamos atentos às moções do Espírito Santo e possamos responder corajosamente a Deus, testemunhando ao mundo inteiro o amor revelado no Coração de Seu... ler mais

Que procurais? (Jo 1,35-42)

Que procurais? (Jo 1,35-42) Pelas sendas tortuosas da história, o ser humano já foi definido como “homo viator”. Um homem a caminho, peregrino, sempre à procura. Não necessariamente um “judeu errante”, sem rumo nem direção, condenado a não encontrar. Bem ao contrário, segundo as palavras expressas do próprio Jesus, “aquele que procura acha” (cf. Mt 7,8). Hoje, Jesus nos faz a pergunta essencial: “Que procurais?” É como se dissesse: “Que é que dá sentido a nossa vida?” Andamos atrás de quê? Por qual motivação gastamos nossa vida e nosso tempo? Que é que merece nosso esforço, cansaço e dedicação? Enfim, existe algo que valha a pena? João e André, até então discípulos de João, respondem com outra pergunta: “Mestre, onde moras?” Uma pergunta cristocêntrica. Toda ela centrada na pessoa do Messias. Por isso mesmo, uma pergunta essencial. Eles não perguntam como obter saúde, como ajuntar dinheiro, como ter segurança. Não perguntam qual o caminho da felicidade, como se livrar da depressão, como esmagar os seus adversários. Afinal, bons alunos de João Batista, já devem estar iniciados nas coisas do Espírito. Basta-lhes encontrar o “lugar” das bem-aventuranças – o próprio Cristo. E Jesus responde com um convite: “Vinde ver!” Sim, com a Encarnação do Verbo de Deus, o Invisível se fez visível. O transcendente se fez imanente. O Eterno invadiu nossa história. E “bem-aventurados os olhos que veem” (cf. Mt 13,16) o Cristo, agora sem véus diante dos olhos humanos. O convite de Jesus deixa claro que é na intimidade do Senhor que iremos descobrir os seus mistérios. Trata-se de caminhar com ele, viver a vida ao seu lado, absorver... ler mais

O verbo de Deus se fez carne

O anjo, porém disse aos pastores: “Não tenhais medo! Eu vos anuncio uma grande alegria, que será para todo o povo: Hoje, na cidade de Davi, nasceu para vós um Salvador”. (Lc 2.10) O natal do Senhor nos ajuda a entender que pelo mistério da encarnação, Deus estabeleceu um vínculo de comunhão profunda entre o divino e o humano. O Filho de Deus se tornou o ponto de encontro deste movimento que une o céu e a terra. Celebrar o nascimento do menino Jesus, é acolher a realização deste gesto de ternura e comunhão de Deus na história da humanidade. Viver esta dimensão do natal é experimentar a graça da reconciliação. Deus, apesar da dureza do coração humano, acredita na possibilidade da comunhão. São João Paulo II dizia que o natal é a “festa da comunhão, a festa do homem”. “Quando Deus se encarna, efetua-se a sua humanização e a divinização do homem”, dizia ele. Portanto, a encarnação possibilita a recuperação da dignidade original do ser humano. A encarnação do Filho de Deus não baniu do mundo a história do pecado, embora ela consista na possibilidade concreta de sua superação. É bom que se diga que não estamos imunes às quedas, aos fracassos e aos infortúnios da vida humana. Porém, agora, fortalecidos e revigorados pelo Filho de Deus encarnado, seremos capazes de superar as marcas do pecado. Sendo assim, o nascimento de Jesus é um convite à construção de novas relações. Neste espírito de redescobrir o novo, quero desejar a você meu irmão um FELIZ E SANTO NATAL. Que a celebração do nascimento de Jesus, seja para todos nós,... ler mais

E ele os curou… (Mt 15,29-37)

E ele os curou… (Mt 15,29-37) Coxos, aleijados, cegos, mudos e outros doentes – a todos Jesus curou, sem fazer forma alguma de discriminação. Curou homens e mulheres, doentes crônicos e deficientes “de nascença”, atendendo a amigos (a sogra de Pedro), a estrangeiros (como o servo do centurião romano), e mesmo a quem o prendia (devolvendo a orelha de Malco). Sei que os biblistas preferem falar em “sinais” quando se referem às curas do médico Jesus de Nazaré. O povo simples já se acostumou a falar de “milagres”. E continua pedindo os mesmos milagres, sendo muitas vezes atendido, pois a compaixão do Nazareno não mudou de lá para cá… Pascal, o conhecido filósofo francês, escreveu na parte de final de seus “Pensées” uma frase colocada na boca de Jesus: “Os médicos não te curarão, pois no fim morrerás. Mas sou eu quem curo e torno o corpo imortal. Sofre as cadeias e a servidão corporal; por ora eu só te liberto da espiritual”. Não creio que os leprosos da Palestina assinassem em baixo deste “pensamento” pascaliano. Nem a hemorroíssa curada após 12 anos de hemorragia, nem a menina retomada das carpideiras. Todos eles experimentaram algo que não achei nos manuais de medicina ou nos compêndios de teologia: o amor de Deus invade nossas vidas sem excluir nossos corpos. A “cura” ou salvação que o Senhor nos oferece envolve todo o ser: corpo, mente e espírito (cf. 1Ts 5,23). Estou de acordo com François Trévedy, em um de seus sermões, quando diz que, para Jesus Cristo, a multidão não é uma espécie de massa indistinta, mas de conhecimentos e pessoas... ler mais

Visita Bispo

Dia 18 de novembro, o Bispo Dom Gorgônio dedicou à Deus o Santuário Nossa Senhora Aparecida do Sul, um momento único e histórico para nossa comunidade. Em nosso Santuário temos 3 relíquias, do São Pedro Apóstolo, de Madre Tereza de Calcutá e do Beato Oscar Romero, que eles intercedam por essa comunidade juntamente com a Mãe Aparecida. Que Deus abençoe cada pessoa que ajudou para que a celebração se realizasse.   MISSA SOLENE   VISITA DO... ler mais

Uma força que curava a todos… (Lc 6,12-19)

Uma força que curava a todos… (Lc 6,12-19) Certamente, a missão primordial de Jesus consistiu em dar sua vida pela humanidade, reatando amorosamente nossa ligação com o Pai. Para atrair o povo a Deus, Jesus também ensinava e nos transmitia um conjunto de verdades em cujo coração está a revelação da paternidade divina: Deus é Pai. Yahweh é Abbá. Dentro desse contexto, como entender a figura do Jesus Médico? Segundo as palavras dele mesmo, os gestos de cura e de libertação são “sinais” de que o Reino de Deus já estava entre nós. Daí o teor de sua resposta a João, através dos discípulos do Batizador: “Ide contar a João o que vistes e ouvistes: cegos recuperam a vista, paralíticos andam, leprosos são purificados e surdos ouvem, mortos ressuscitam e aos pobres se anuncia a Boa Nova”. (Lc 7,22) A Boa Notícia oferecida por Jesus ia muito além da simples salvação das almas… Ao longo da História, em diferentes religiões e grupos humanos, sempre existiram pessoas com excepcionais dons de cura, utilizando ou não elementos da matéria, como vegetais e minerais, e adotando variadas técnicas. Em Jesus, porém, atuava uma força ou poder [dýnamis, no texto grego de São Lucas 6,19] que superava toda experiência anterior e ia muito além de uma faculdade meramente humana. Caso exemplar foi o daquela mulher que há 12 anos sofria de uma hemorragia e, tocando, pelas costas, a túnica de Jesus, foi prontamente curada. E Jesus declara: “Alguém me tocou. Eu senti uma força [égnon dýnamin] saindo de mim” (cf. Lc 8,46). Logo, trata-se de uma cura “involuntária” realizada no simples contato com o... ler mais