DIA 23 DE NOVEMBRO – DOMINGO

NOSSO SENHOR JESUS CRISTO, REI DO UNIVERSO

Evangelho (Mateus 25,31-46)

25 31 Disse Jesus a seus discípulos: “Quando o Filho do Homem voltar na sua glória e todos os anjos com ele, sentar-se-á no seu trono glorioso.
32 Todas as nações se reunirão diante dele e ele separará uns dos outros, como o pastor separa as ovelhas dos cabritos.
33 Colocará as ovelhas à sua direita e os cabritos à sua esquerda.
34 Então o Rei dirá aos que estão à direita: ‘Vinde, benditos de meu Pai, tomai posse do Reino que vos está preparado desde a criação do mundo,
35 porque tive fome e me destes de comer; tive sede e me destes de beber; era peregrino e me acolhestes;
36 nu e me vestistes; enfermo e me visitastes; estava na prisão e viestes a mim’.
37 Perguntar-lhe-ão os justos: ‘Senhor, quando foi que te vimos com fome e te demos de comer, com sede e te demos de beber?
38 Quando foi que te vimos peregrino e te acolhemos, nu e te vestimos?
39 Quando foi que te vimos enfermo ou na prisão e te fomos visitar?’
40 Responderá o Rei: ‘Em verdade eu vos declaro: todas as vezes que fizestes isto a um destes meus irmãos mais pequeninos, foi a mim mesmo que o fizestes’.
41 Voltar-se-á em seguida para os da sua esquerda e lhes dirá: ‘Retirai-vos de mim, malditos! Ide para o fogo eterno destinado ao demônio e aos seus anjos.
42 Porque tive fome e não me destes de comer; tive sede e não me destes de beber;
43 era peregrino e não me acolhestes; nu e não me vestistes; enfermo e na prisão e não me visitastes’.
44 Também estes lhe perguntarão: ‘Senhor, quando foi que te vimos com fome, com sede, peregrino, nu, enfermo, ou na prisão e não te socorremos?’
45 E ele responderá: ‘Em verdade eu vos declaro: todas as vezes que deixastes de fazer isso a um destes pequeninos, foi a mim que o deixastes de fazer’.
46 E estes irão para o castigo eterno, e os justos, para a vida eterna”.

Palavra da Salvação.

Meditando a Palavra

Eu tive fome… (Mt 25,31-46)

Um Rei faminto?! Duro de entender…

Sim, nosso Rei é um Rei-mendigo. Vive de esmolas. Senhor de tudo, passeia por nossas ruas com as mãos vazias, estendidas em nossa direção. Por que teria assumido esse disfarce?

Ora, Ele conhece bem a nossa natureza humana. Sabe que somos interesseiros e bajuladores. Se o Rei se manifestasse a nós em todo o seu poder e majestade, logo estaríamos estendendo tapetes vermelhos à sua passagem, dobrando nossos joelhos em salamaleques e rapapés.

Logo estaríamos de olho em um ministério ou, quem sabe, uma subsecretaria…

Sim. É duro reconhecer, mas a proximidade dos poderosos desperta em nós aquilo que temos de pior. Logo tentaríamos levar vantagem às custas de nosso Senhor e Rei. Usaríamos seu braço forte para aniquilar nossos inimigos. Assaltaríamos os tesouros de sua graça em benefício próprio. Além da velha tentação de dividir o planeta em dois partidos: o nosso lado e… o outro lado…

Deve ser por isso que o Rei vem até nós de forma miserável. Ele tem fome e sede. Ele é preso e hospitalizado. Ele veste andrajos e não tem uma pedra onde repousar a cabeça. Assim fraco e deficiente, sem atrativos, até mesmo repulsivo, ninguém se aproximará dele por interesse ou comodismo. Se alguém lhe estender a mão, certamente o fará por amor…

Ao celebrar Cristo Rei, corremos o risco de cair no velho triunfalismo e insistir em imagens emprestadas das monarquias ocidentais. Será que ainda não percebemos que a coroa de Cristo é uma coroa de espinhos? Ah! O Reino de Cristo não é reino de poder, como aqui se estabelecem os potentados deste mundo! Seu Reino é um “estado de amor”, onde o dinamismo do ser transborda na direção dos mais fracos, dos mais pobres.

Por que? Porque Deus é assim: pastor de ovelhas abandonadas, ele dá tudo para retomá-las, para salvar suas vidas e curar suas enfermidades. O Rei sempre nivela tudo por baixo, atendendo primeiro aquele que mais necessita. O Rei tem coração mole: logo se derrete diante de nossas dores. Nossa miséria faz cócegas em sua misericórdia…

Que decepção a daqueles discípulos, cuja mãe apresentou a Jesus um requerimento em três vias, estampilhado, com firma reconhecida, solicitando que os dois se sentassem no Reino, um à direita e um à esquerda do Senhor! Quanta impertinência materna! Afinal, no Reino, não há tempo para se sentar. O Reino é dinâmico, é um movimento de amor. Para entrar no Reino, a primeira condição é caminhar.

E caminhar depressa! O Rei não tem tempo a perder em sua exigente missão!

Orai sem cessar: “Ele era desprezado, deixado de lado pelos homens…” (Is 53,3)

Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.