9/07/2015

Nem ouro, nem prata… (Mt 10,7-15)

Ao comentar este Evangelho, o teólogo luterano Dietrich Bonhoeffer, mártir da fé sob o regime nazista, traduzi as instruções de Jesus aos discípulos enviados em missão:

“Mostrai claramente que, com toda a riqueza que tendes a distribuir, não desejais para vós nem a posse, nem a consideração, nem a aprovação e nem mesmo o reconhecimento! Aliás, sobre que poderíeis fundamentar vossas pretensões a tais coisas? Toda honra que recai sobre nós, nós a roubamos daquele a quem, na verdade, ela pertence: o Senhor que nos enviou. A liberdade dos enviados de Jesus deve manifestar-se em sua pobreza.”

Como é consolador ler as palavras de alguém que foi encarcerado, teve sua tarefa precocemente amputada, mas permanece fiel ao Evangelho de Jesus, um Evangelho de simplicidade e pobreza!

Bonhoeffer prossegue: “O estado daquilo que os discípulos possuem está regulamentado em seus mínimos detalhes. Eles não devem fazer-se notar como mendigos vestidos de farrapos, nem ficar ao encargo dos outros como parasitas. Mas é revestidos da libré da pobreza que eles devem ir adiante. Devem também ter poucas coisas consigo, como aquele que atravessa uma região com a certeza de, ao cair da noite, encontrar-se entre amigos, na casa que o acolherá é lhe fornecerá o alimento necessário. Por certo, não precisam depositar esta confiança nos homens, mas naquele que os enviou e no Pai celeste que deles cuidará”.

Parece ingênuo? Parece infantil? Se parece, deve andar bem fraca a nossa fé. Se me permitem um testemunho pessoal, quando deixei o magistério para me dedicar à evangelização em tempo integral, nossa família experimentou um tempo de dez anos inteiros sem salário e sem nenhuma renda fixa. Nada nos faltou e os dois filhos cursaram a universidade. Aprendemos que a Providência divina não é uma lenda infantil, mas uma realidade palpável nos pequenos eventos de cada dia, o que incluía anônimas sacolas de alimentos na varanda e as doações mais imprevistas em viagens missionárias.

Como conclui Dietrich Bonhoeffer, “é assim que eles [os discípulos em missão] tornarão digna de fé a mensagem que anunciam, esta mensagem da soberania de Deus que faz irrupção sobre a terra”.

Orai sem cessar: “Em Deus confio, não temerei!” (Sl 56,4)

Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.