Não surgiu quem fosse maior… (Mt 11,11-15)

Estamos falando de João Batista, o precursor [em grego, pródromos, isto é, “o que corre na frente”]. E esta avaliação que ele mereceu de Jesus de Nazaré é um elogio notável, pois o coloca acima de todos os patriarcas e profetas da Primeira Aliança.

E qual será a razão deste elogio excepcional? Até onde posso ver, trata-se de sua escolha para ser a “voz imediata” no anúncio do Reino que se avizinhava na pessoa do Messias, Jesus Cristo. Cheio do Espírito Santo desde o ventre materno (Lc 1,44), cumpriria sua missão ao preço da própria vida.

E isto me faz pensar que não temos dada a devida consideração nem o devido valor às pessoas que também assumem a mesma missão: ser uma voz que anuncia o Senhor. Ao mesmo tempo, ajuda a compreender por que os tiranos de todos os quadrantes, de todas as épocas, se apressam a calar as vozes que repetem o Evangelho…

Hoje, no deserto das grandes cidades, somos chamados a assumir missão semelhante à do Batizador. Quem nos fala sobre isso é o Bispo do Saara argelino, Claude Rault:

“Nossa vocação é a de ser como João Batista: traçadores de estradas, humildes caminheiros do Bom Deus! O Batista tem consciência disso: ele abre a estrada para aquele que vem depois dele, ele caminha por um Outro. Isto exige fidelidade, confiança e gratuidade nas relações. Assim se traça um caminho, e outros continuarão a assumi-lo. Invisível, Jesus pisa sobre nossos passos.

João Batista traça um caminho, ele é um caminheiro cujas passadas acabam por nos deixar uma trilha. É a figura que ainda hoje nos inspira. A seu modo, somos chamados a deixar uma esteira na vida deste mundo, como estradeiros infatigáveis. A rota que deixamos atrás de nós será tomada por outros. É isto que fazemos no grande deserto da vida…”

Mas o mesmo profeta nos deixa outra lição: apagar-se, distanciar-se, sair do foco. Quando cercam João Batista, inquirindo-o se seria o Messias esperado, ele não só o nega, mas se põe em segundo plano: “Não sou digno de lhe desamarrar as sandálias”. E arremata o lema que devemos assumir nas missões da Igreja: “Importa que ele (Jesus) cresça, e eu diminua…”

O arauto corre o risco permanente de se confundir com o Rei. Sua missão é apenas tocar a trombeta e perder-se na multidão que espera pelo Senhor.

Orai sem cessar: “Quero ensinar teus caminhos aos que erram… (Sl 51,15)

Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.