Meditando o Evangelho

O Espírito Santo vos ensinará… (Lc 12,8-12)

O Espírito Santo vos ensinará… (Lc 12,8-12)

Gosto muito de uma passagem do Antigo Testamento que define o Espírito de Deus como alguém encarregado de nos educar: “O Espírito Santo, educador das almas, fugirá da perfídia, afastar-se-á dos pensamentos insensatos…” (Sb 1,5.) De fato, temos no Espírito de Deus um “mestre interior” – o único que nos pode revelar o mistério divino que se encerra na pessoa de Jesus Cristo. Sem esse Mestre, a Palavra de Deus permanece como linguagem cifrada, impenetrável à lógica dos humanos.

Quando Jesus se preparava para entregar-se à Paixão e separar-se de seus discípulos, falou repetidamente do dom do Espírito Santo como um “revelador”, alguém que poderia devolver aos corações humanos o sentido perdido de sua existência e dos projetos de Deus.

Assim, em S. João, podemos ler: “E eu rogarei ao Pai, e ele vos dará um outro Paráclito, para que fique eternamente convosco. É o Espírito da verdade, que o mundo não pode receber, porque não o vê nem o conhece; mas vós o conhecereis,, porque permanecerá convosco e estará em vós”. (Jo 14,16-17.)

Ou, logo a seguir: “Mas o Paráclito, o Espírito Santo, que o Pai enviará em meu nome, ensinar-vos-á todas as coisas e vos recordará tudo o que vos tenho dito.” (Jo 14,26.) E reafirma, ainda, sua função pedagógica: “Quando vier o Paráclito, o Espírito da verdade, ensinar-vos-á toda a verdade, porque não falará por si mesmo, mas dirá o que ouvir, e anunciar-vos-á as coisas que virão”. (Jo 16,13.)

Desde Pentecostes, a Igreja percebeu que só poderia ser o “Corpo de Cristo” sendo habitada pelo Espírito Santo. O Vaticano II, na Constituição Lumen Gentium, reconhece a ação do Espírito na Igreja: “O Espírito habita na Igreja e nos corações dos fiéis como num templo (cf. 1Cor 3,16; 6,19). Neles ora e testemunha a adoção de filhos (cf. Gl 4,6; Rm 8,15-16.26). Conduz a Igreja a toda a verdade (cf. Jo 16,13). Unifica-a na comunhão e no ministério. Dota-a e dirige-a mediante os diversos dons hierárquicos e carismáticos. E adorna-a com seus frutos (cf. Ef 4,11-12; 1Cor 12,4; Gl 5,22).” (LG, 4.)

Pairando sobre as águas primordiais da Criação, ungindo os profetas da Primeira Aliança, gerando na Virgem Maria a natureza humana do Salvador, descendo sobre Jesus no Rio Jordão, inflamando os discípulos em Pentecostes – eis a presença universal do Espírito de Deus na história dos homens…

Orai sem cessar: “Vinde, Espírito Santo, enchei os corações dos vossos fiéis!”

Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.

Veja mais…

Eu lhes enviarei profetas… (Lc 11,47-54)

Eu lhes enviarei profetas… (Lc 11,47-54) Conforme a Carta aos Hebreus (1,1), nos tempos da Primeira Aliança o Senhor se dirigiu a seu povo através dos profetas. Eram homens comuns, vaqueiros ou catadores de sicômoros, que o Espírito de Deus impelia a profetizar. Nada que nos faça pensar em “adivinhões” a prever o futuro. Antes, eram vozes de alerta que advertiam os responsáveis pelo povo escolhido quando se afastavam da vontade do Senhor. Foi o caso de Natã, que visitou o Rei Davi para conduzi-lo à contrição e à penitência. O Antigo Testamento chama o profeta de “nabi” (aquele que foi chamado) ou de “ro’eh” (o vidente). Ezequiel terá sido o campeão das visões, como a daquele “carro celeste” que muitos se atreveram a traduzir como uma nave espacial. Com palavras ou gestos simbólicos (a canga quebrada de Jeremias, o casamento de Oseias, o tijolo de Ezequiel, etc.), os profetas revelam as intenções de Deus para a vida de seu povo. Na intersecção das duas Alianças, João Batista foi o grande profeta enviado por Deus, quando os céus voltaram a se abrir após 150 anos de silêncio. Sua missão? Apontar o Cordeiro de Deus, identificando na pessoa de Jesus o Messias esperado. Ao longo dos séculos, os profetas foram rejeitados, perseguidos, silenciados pela violência. Por isso mesmo, Jesus lamentava a Cidade Santa: “Jerusalém, Jerusalém, que matas os profetas e apedrejas os que te foram enviados!” (Mt 23,37.) Assim se manifestava, ao longo dos séculos, a recusa impenitente de um povo amado que não reconhecia o amor de que era alvo. João Batista, o Precursor, preso por Herodes e, a seguir,... ler mais

O vosso interior… (Lc 11,37-41)

O vosso interior… (Lc 11,37-41) No tempo de Jesus, o ensinamento dos rabinos judeus incluía estritas normas de “pureza legal”. Nesta passagem, o Mestre, sentou-se para a refeição sem as tais abluções preparatórias, causando certo escândalo a seu anfitrião. Jesus se vale da ocasião para lembrar que a pureza interior era a mais importante. E que de nada vale muita higiene externa, se o íntimo da pessoa cheira mal. Nem podemos disfarçar a falta de amor com algumas esmolas… É hora de lembrar algo óbvio, mas que costuma passar despercebido. A pessoa humana tem dois lados: exterior e interior. Se ambos devem ser cuidados, o interior é mais importante. Pode ser que ela não durma sem escovar 50 vezes os cabelos, tão elogiados por sua beleza, efeito de uma cosmética nem sempre ao alcance dos pobres. E os cabelos são apenas excreção, assim como as unhas e o suor. Será que a mesma pessoa gasta cinco minutos, ao final do dia, para fazer um exame de consciência e pôr em ordem a sua casa interior? Pode ser que o homem de meia idade ande preocupado com a queda de seus cabelos, o que motiva consulta médica e o uso de algum tônico capilar. E do lado de dentro? Que pensamentos ele alimenta? Que sentimentos ele estimula? Raiva, ódio, falta de perdão, planos de vingança? A sociedade pagã vive de aparências, valorizando o sucesso, a fama, os bens acumulados. Não leva em conta se os meios para fazer fortuna incluem a exploração do próximo. O corpo recebe toda a atenção, uma espécie de culto religioso. Proliferam academias de ginástica, visitadas com... ler mais

Será um sinal… (Lc 11,29-32)

Será um sinal… (Lc 11,29-32) Quando Nínive recebeu a visita de Jonas (ainda que o profeta ali chegasse a contragosto), seus habitantes levaram a sério o prenúncio de um “castigo do céu”. Por isso mesmo, fizeram penitência. Penitência… Uma palavra antiga, algo desusada, que a Quaresma insiste em recordar, ainda que se resuma a um pouco de cinza na testa… Penitência que devia ser um sinal exterior de uma disposição interior. Algo que falasse, por fora, do profundo pesar interior de ter pecado e ofendido um Deus todo-amor. Na Carta apostólica “Porta Fidei”, o Papa diz que “o Ano da Fé é convite para uma autêntica e renovada conversão ao Senhor, único Salvador do mundo”. Ou seja, trata-se de mais uma oportunidade que Deus nos concede para orientar nossa vida segundo sua vontade e seu plano de salvação. Em Nínive, os habitantes – até o rei! – fizeram jejum e vestiram roupas ásperas, invocando a misericórdia de Deus. Mesmo os animais ficaram sem a ração de costume. De algum modo, a figura de Jonas sinalizara aos ninivitas a urgência da crise, a premência da conversão, a singularidade daquele momento. Quando veio Jesus Cristo – muito maior que Jonas! (cf. Lc 11,32) -, também ele devia ser percebido como o máximo sinal da parte de Deus: uma oportunidade extrema de salvação. Mesmo ao ressurgir, ao terceiro dia, como Jonas, continuou repelido e rejeitado pelos homens do Templo, pelos guardas da Lei. Acolhido apenas por pecadores e prostitutas, guerrilheiros e velhos pescadores, os publicanos e a ralé desqualificada… Veio o ano 70 d.C. As legiões de Tito arrasaram Jerusalém. Num raio de... ler mais

O traje de festa… (Mt 22,1-14)

O traje de festa… (Mt 22,1-14) Todos são convidados para o grande banquete. O festim é grátis, é pura graça. O povo chama isto de “boca livre”. É o tipo de oportunidade que ninguém rejeita. Por isso mesmo, o grupo que cerca a grande mesa do festim não chega a ser “gente fina”, não é “vip”. Ao contrário, por ordem expressa do Rei, os “convivas” foram arrastados de todas as encruzilhadas do mundo, ainda cobertos da grossa poeira dos caminhos humanos. Nenhum deles foi convidado devido a algum mérito ou distinção especial. Afinal de contas, o que importa é que a mesa esteja bem cheia, entende o Dono da festa! Como entender, então, que um dos convidados acabe lançado fora, na escuridão da noite, por não trajar a veste apropriada? Não parece um contrassenso? André Louf tem sua explicação: “Nós temos chance de estar entre os eleitos, mesmo sendo pecador, com a condição de vestir, não um costume aqui de baixo, por mais belo que seja, mas a verdadeira, a única vestimenta das núpcias do Reino. Qual é, afinal, este traje nupcial? São Paulo no-lo diz: é a veste nova do homem novo, criado em Jesus Cristo. Ele é Jesus Cristo. Precisamos despojar-nos inteiramente do home velho e de suas pretensões, como uma roupa usada, e revestir, como uma roupa estalando de nova, o próprio Jesus Cristo, a humildade de sua cruz e a força de sua ressurreição. O rei só tolera entre os convivas – sejam eles bons ou maus, não importa – aqueles que apresentam os traços de seu Filho. Aqueles que aceitam ser eleitos e bem-amados... ler mais

Caindo casa sobre casa… (Lc 11,15-26)

Caindo casa sobre casa… (Lc 11,15-26) Esta ruína geral – ou melhor, esta catástrofe! – é uma consequência da divisão. Quando os adversários acusam Jesus de usar o poder do demônio para expulsar os demônios, o Mestre argumenta que essa interpretação é absurda, pois uma casa dividida não permanece de pé. Até os demônios precisam trabalhar juntos! Temos aqui um princípio muito apropriado para avaliar a derrocada geral das famílias neste início de milênio. Por que tantos esposos se separam, renegam os juramentos de amor (pronunciados na presença de Deus e da Igreja!) e acabam por rasgar também o coração dos filhos? Porque se deixaram dividir… No tempo do namoro e do noivado, estavam unidos. Tinham objetivos comuns. Os mesmos interesses. Tudo faziam juntos. Algum tempo depois do casamento, iniciaram trajetórias divergentes. O tempo já não era suficiente para o trabalho e a família. Para ganhar o pão e – quem diria? – comê-lo lado a lado… A educação dos filhos (o que só se consegue em unidade) acabou como motivo de discórdia: ele queria apertar, ela queria afrouxar… O grande inimigo do matrimônio é o individualismo: meu modo de pensar, meu modo de sentir, meu modo de agir… Meu trabalho, meu dinheiro, meus programas… Ora, o lar é o espaço do nosso: filhos e amigos, trabalhos e cansaços, saúde e doença – tudo é nosso! E tudo se torna ponte de aproximação entre marido e mulher que se amam. Até as crises e dificuldades! Na prática, a realidade é mofina. Fica difícil até mesmo repartir a TV! Cada um finca pé para ver o programa que lhe agrada. A alternativa burguesa – um televisor em cada cômodo – acaba por separar ainda mais... ler mais

Fazei o que ele vos disser… (Jo 2,1-11)

Fazei o que ele vos disser… (Jo 2,1-11) As empresas têm suas normas. Os equipamentos trazem anexo o manual de instruções. Nós, criaturas, recebemos de Deus os Dez Mandamentos. Não é curioso que a tentação básica, para nos afastar do amor divino, esteja centrada exatamente no louco impulso de autonomia que nos seduz para fora do querer divino? A tentação é a mesma do início: decida você mesmo aquilo que é bom ou mau para você! Não aceite tutor! Seja você mesmo o seu Dono e Senhor! Não preciso de que me digam o que fazer. Sei muito bem onde tenho o meu nariz! Ora, nós somos criaturas. Não somos o Criador. Nossa visão é imperfeita, nossa miopia nos leva aos atalhos tortuosos, aos brejais sem saída. Seguindo as inclinações naturais, fazemos guerras e causamos desastres… E por falar em desastres, é a sua possibilidade que nos leva a instituir as leis de trânsito, com mão e contramão, luzes verdes e vermelhas, faixas preferenciais e limites de velocidade. E só um louco alegaria direitos de autonomia para dirigir na contramão e avançar o sinal vermelho. Obedecer às normas é garantia de vida… Quando Deus nos enviou seu Filho, nascido de Mulher, imerso em uma sociedade humana, falando um de nossos idiomas, o Senhor mostrava claramente sua intenção de nos orientar em nossa caminhada existencial. Por isso mesmo, no alto do Tabor, a voz que saía da nuvem advertia: “Este é o meu Filho. Escutai-o!” E não é que Deus deseje nos fazer escravos: ele sabe de nossa fraqueza, quer sustentar-nos em sua força. Neste Evangelho, no meio de um casamento... ler mais

Pão nosso… (Lc 11,1-4)

Pão nosso… (Lc 11,1-4) Sim, o Pai é nosso, ensinou Jesus. Mas não parou aí. Segundo o Mestre de Nazaré, também o pão é nosso. E o grande escândalo acontece quando aqueles que se dizem irmãos – têm o mesmo Pai! – não podem comer do mesmo pão. Enquanto alguns desperdiçam, muitos passam fome… Não foi assim no começo. A leitura do livro dos Atos dos Apóstolos revela um estado de coisas bem diferente: “Partiam o pão nas casas e tomavam a comida com alegria e singeleza de coração…” (At 2,46b.) “Não havia entre eles nenhum necessitado… Repartia-se a cada um deles conforme a sua necessidade.” (At 4,34-35.) Por que será que as coisas mudaram. Quando será que se perdeu esse sentimento de fraternidade? Como teríamos aprendido a comungar do Pão eucarístico, lado a lado com nosso irmão que passa fome? Uma vez, um jovem francês foi questionado por colegas sem fé, que lhe perguntavam onde estava a caridade dos cristãos. Frederico Ozanam, esse jovem, decidiu dar uma resposta ao desafio. Algum tempo depois, fundaria a Sociedade São Vicente de Paulo, hoje espalhada por todo o mundo, levando um pedaço de pão e uma cesta básica a milhões de deserdados do sistema. Ao escolher Vicente de Paulo como patrono, Ozanam se inspirava em outro homem de Deus, um simples sacerdote que sabia atrair a amizade dos ricos (sem ameaçá-los com o fogo do inferno) e jeitosamente tirava dos mais abastados aquelas moedinhas que alimentariam os sem-pão. Ao longo da história da Igreja, numerosos homens e mulheres viveram em profundidade essa vocação de distribuir o pão, semear a esperança, irradiar o saber.... ler mais

Andas inquieta… (Lc 10,38-42)

Andas inquieta… (Lc 10,38-42) Imagino que Dona Marta tenha muitas qualidades. Muitas virtudes, sem dúvida. Marta é “trabalhadeira”, ativa, está em toda parte. Marta tem mãos de fada na costura e no bordado. Marta é uma excelente cozinheira. Sua casa é um brinco, sem um grão de poeira – dizem as comadres! Mas não é por isso que Marta merece repreensão… Bem que ela poderia parar um pouquinho, às vezes, e sentar-se para ouvir o Mestre. Mas ela teme por sua imagem: “Que é que vão dizer?” Assim, Marta precisa manter o seu padrão de qualidade aos olhos dos outros. Se vier a interromper sua luta, poderão chamá-la de preguiçosa. E isso, para ela, é intolerável… Seu pecado maior é a agitação. “Andas inquieta com muitas coisas” – observa o Mestre, abanando a cabeça. Na tradução latina de S. Jerônimo: “turbaris erga plurima”. É o excesso de atividades que a deixa perturbada. Sem paz no coração, como acolher a visita do Senhor? Neste ruidoso início de milênio, mergulhados até o pescoço em uma sociedade ativa e consumista, muitas pessoas têm sido valorizados por aquilo que, no fundo, é um vício, e não uma virtude: a agitação. Mesmo em plena vida eclesial, ressurge a velha heresia do pelagianismo, que imagina poder salvar (e salvar-se!) à custa de esforço, boa vontade e mangas arregaçadas, sem depender humildemente da graça de Deus. Critérios típicos do mundo socioeconômico – produtividade, eficiência, sucesso – não deixam espaço para a escuta do Espírito que fala aos corações. Imersos em clima obviamente herético, corremos o risco de centrar em nossas atividades (ou na agitação?) o foco de... ler mais

Faze isto e viverás! (Lc 10,25-37)

Faze isto e viverás! (Lc 10,25-37) Neste Evangelho, Jesus dialoga com um doutor da lei, isto é, um judeu especialista nos textos mosaicos, conhecidos como a “Torah”. O “legista” pergunta sobre o necessário para ter como herança a vida eterna. Jesus devolve-lhe a pergunta: – “O que está escrito na Lei?” Se Jesus de Nazaré não fosse tão educado, poderia ter dito: “Ora, você tem doutorado na Lei e não sabe a resposta?” Mas o interlocutor, de fato, conhece bem seu texto. Prontamente ele repete o “Shemah”, recitado diariamente por um israelita fiel. E ali está o preceito de amar ao Senhor Deus de todo o coração [cardía], com toda a alma [psichê], com toda a inteligência [dianoia]. Um amor total, totalizante. E Jesus, antes de narrar a bela parábola do “bom samaritano” – exatamente um não judeu que pratica a “Shemah” de Israel! -, aponta ao doutor da lei: – “Faze isto e viverás!” Aqui está o nosso problema: não podemos alegar ignorância da vontade de Deus. Desde a infância, os pais e mestres nos transmitiram as mesmas palavras: “amar a Deus sobre todas as coisas, e ao próximo como a si mesmo”. Os Evangelhos – outrora restritos a raros pergaminhos – estão hoje publicados em centenas de idiomas, à disposição de todos. E exatamente por não ignorar os mandamentos, não temos como justificar seu descumprimento. Em pauta, a neurose entre o conhecimento e a prática. E a resposta de Jesus deixa claro que não basta o conhecimento (como ensinavam os gnósticos) para chegar à salvação, mas é preciso dar o salto da teoria à prática, da letra ao... ler mais