DIA 2 DE DEZEMBRO – TERÇA-FEIRA

I SEMANA DO ADVENTO

Evangelho (Lucas 10,21-24)

10 21 Naquele mesma hora, Jesus exultou de alegria no Espírito Santo e disse: “Pai, Senhor do céu e da terra, eu te dou graças porque escondeste estas coisas aos sábios e inteligentes e as revelaste aos pequeninos. Sim, Pai, bendigo-te porque assim foi do teu agrado.
22 Todas as coisas me foram entregues por meu Pai. Ninguém conhece quem é o Filho senão o Pai, nem quem é o Pai senão o Filho, e aquele a quem o Filho o quiser revelar”.
23 E voltou-se para os seus discípulos, e disse: “Ditosos os olhos que vêem o que vós vedes,
24 pois vos digo que muitos profetas e reis desejaram ver o que vós vedes, e não o viram; e ouvir o que vós ouvis, e não o ouviram”.

Palavra da Salvação.

Meditando a Palavra

O lobo habitará com o cordeiro… (Is 11,1-10)

Desde a antiguidade, os fabulistas puseram lado a lado o lobo e o cordeiro como ícones do predador e da presa. Na conhecida fábula de Fedro, o poeta latino, um cordeirinho inocente acaba devorado, mesmo sem culpa. Prevalece a “lei do mais forte”. Mais tarde, um filósofo criaria o amargo refrão: homo homini lupus – o homem é um lobo para o homem.

Será mesmo impossível a convivência fraterna? Existirá um determinismo genético que nos impele à agressão e à exploração do próximo? Estaremos condenados ao medo fóbico que nos leva a erguer muros com cacos de vidro, cercas elétricas e portões eletrônicos? Nosso próximo é nosso lobo? Somos o predador de nosso irmão? Seremos eternamente Abel e Caim?

A profecia de Isaías garante que não… Ele fala da presença de um descendente de Davi que será o portador do Espírito de Deus no meio de nós. Ele será reconhecido pelos atributos que o Espírito Santo manifesta em sua Pessoa: sabedoria e discernimento, conselho e fortaleza, conhecimento e temor de Deus. Em seu breve sermão na sinagoga de Nazaré (cf. Lc 4), anunciará que o Espírito do Senhor repousa sobre seus ombros. E é esse mesmo Espírito de paz e unidade que ele promete a seus seguidores.

Sua presença será a garantia de que os inimigos entrarão em acordo, mesmo que, aparentemente, devam violentar sua natureza agressiva, como na imagem da ursa que pasta junto à vaca e seus bezerros, em pacífica convivência.

Claro que os céticos estão rindo… Os desesperados zombam da esperança. Os fabricantes de armas bradam maldições, pois a paz gera prejuízos para eles. A simples visão de uma sociedade sem competição e disputas, fundamentada na partilha dos bens e no serviço solidário – uma sociedade onde o dinheiro não seja a mediação, e a espada o fiel da balança – causa pesadelos no sono desses mercadores da morte.

Logo virá o Natal. O Príncipe da Paz virá como criança indefesa. Neste Natal, teríamos a coragem de nos identificar com o Menino? Logo a Criança que Herodes tentará assassinar? Estaríamos dispostos a abrir mão do regime de competição e disputa, onde retesamos os músculos e arreganhamos os dentes para manter à distância a ameaça do próximo?

Orai sem cessar: “O Senhor livrará o pobre que clama!” (Sl 72,12)

Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.