Guardará minha Palavra… (Jo 14,21-26)

Entre os judeus – e Jesus era um deles, é bom lembrar… -, o verbo “guardar” tem ressonâncias muito especiais. No vocabulário técnico da tradição rabínica, “receber”, “guardar” e “transmitir” eram os verbos reveladores do homem justo e fiel. O grande dom de Deus ao povo escolhido era a Torah, a Lei intermediada por Moisés no Sinai. O israelita fiel se orientava por ela, recebendo a Lei, guardando-a e transmitindo com integridade, sem lhe alterar sequer um iode, a menor de todas as letras.

Trazendo tudo isto para nosso tempo, diríamos que a virtude em questão é a obediência. Esta palavra, de origem latina, significa um ob-audiência, ou seja, a atitude de quem fica de frente para quem está falando, pronto a lhe obedecer. Assim como o filho que ouve as ordens e conselhos do pai.

Neste Evangelho, Jesus associa a obediência ao amor. Começa por dizer que o Pai amará quem acolhe fielmente a Palavra dele, manifestada por Jesus. Isto é, a obediência suscita o amor. Mas o Mestre acrescenta: “Quem não me ama não guarda as minhas palavras”, o que deixa claro que é por amor que alguém se vê motivado a obedecer. O filho obedece ao Pai porque o ama. O tão esquecido “temor de Deus” – dom do Espírito Santo – não significa outra coisa, a não ser isto: “A última coisa que desejo neste mundo é entristecer meu Pai, que tanto me ama. Minha obediência é minha resposta de amor a quem me ama assim!”

Vivemos um tempo de rebeldia. Poucos desejam obedecer. Mesmo nos Institutos de vida consagrada, a obediência foi a tal ponto atenuada e reduzida, em nome da responsabilidade e da liberdade de consciência, que acontecem arrepios quando falamos do carisma de nossa querida Comunidade Católica Nova Aliança: “obediência incondicional e amorosa à Igreja”.

– “À Igreja?!” – estranhou uma freira, fazendo careta. “Nós devemos obedecer é a Deus!” Como se fosse possível obedecer a Deus, a quem não vemos, sem obedecer à Igreja, que fala em nome de Deus…

A marca registrada dos santos não foi o milagre, os dons excepcionais ou as experiências místicas. Tudo isto, se aconteceu, veio como consequência de uma vida inteiramente submetida à vontade de Deus.

Como anda nossa obediência à voz de Deus que fala pela Igreja?

Orai sem cessar: “No meu coração conservo as tuas ordens, Senhor!” (Sl 119,11)

Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.