Fechou-se a porta… (Mt 25,1-13)

Temos um tempo. Um só. Temos uma vida. Só uma. Não há prorrogação. Conforme a Carta aos Hebreus, só se vive uma vez e, logo após nossa morte, segue-se o juízo que decide nossa eternidade. (Hb 9,27.)
Pintemos a cena em cores mais vivazes: Deus preparou-nos um banquete, a festa das núpcias do Cordeiro, seu Filho; e espera que nós fiquemos atentos, despertos, preparados para o forte grito que se ouvirá no meio da noite de nossa História: “Aí vem o noivo!” Neste exato momento, quem estiver preparado, entrará para o festim. Quem chegar depois, achará a porta fechada..

Eram dez as virgens – símbolo da alma à espera do Senhor. Cinco eram sábias, cinco insensatas. Prefiro a tradução antiga: cinco prudentes, cinco loucas. Trata-se de uma escolha entre a prudência e a loucura. A prudência deriva certo “azeite” que foi acumulado, reserva para a Hora H. A loucura consiste em não levar a sério a urgência da hora e cochilar sem o óleo do Espírito.

Para o místico russo do Séc. XIX, São Serafim de Sarov, o “azeite” que alimenta a chama das lâmpadas noturnas é o próprio Espírito Santo. Sem ele, ficamos nas trevas. Com ele, nossas lamparinas se acendem e acompanhamos, festivos, a entrada do Cordeiro para o banquete nupcial.

Há muitas formas de cochilar. Concentração exclusiva no trabalho, na carreira, nos negócios, isto é, em “ganhar a vida”, como se não houvesse lá no alto um Pai providente. Uma corrida louca em busca do sucesso, saltando de palco em palco, de projeto em projeto, de produção em produção. Uma luta encarniçada para tomar posse e conservar o poder, usando de todos os meios e procedimentos, custe o que custar, doa a quem doer.

O Evangelho nos garante que isto é loucura, que nos distrai do essencial – o amor de Deus e ao próximo -, pois fragmenta-nos a alma, dilacera o corpo e entreva o espírito. Pura loucura!

Enquanto isto, os pequeninos – que tudo esperam do Senhor – dedicam seu tempo à oração e ao serviço aos irmãos, à meditação da Palavra e a vivê-la no dia-a-dia, ao convívio fraterno e à adoração. Assim, suas lâmpadas permanecem com o óleo da vida, a presença atuante do Espírito de Deus, que permite caminhar na penumbra, enquanto não chega a Aurora…

A Aurora vai chegar. A luz vencerá as trevas. O Noivo não tarda a chegar. Mas, quando chegar, estaremos despertos?

Orai sem cessar: “Minha alma espera pelo Senhor, mais ansiosa que os vigias pela manhã.” (Sl 130,6)

Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.