Fardos insuportáveis… (Lc 11,42-46)

Curiosamente, muita gente tem a respeito do Evangelho a falsa noção de que ele nos tira a liberdade e onera a nossa existência. Pois nesta passagem, em áspero confronto com fariseus e doutores da lei, Jesus de Nazaré recrimina estes últimos exatamente por sobrecarregarem o povo com “fardos insuportáveis” (cf. v. 46).

É o mesmo Jesus que nos convida a tomar sobre nossos ombros o jugo dele, “pois meu jugo é suave e meu fardo é leve” (Mt 11,30). Certamente, ele se refere à experiência de amar e ser amado, quando qualquer sacrifício se torna leve e todo esforço tem um sentido.

Ah! Quantos fardos têm sido impostos ao cristão em nome de um Evangelho no mínimo duvidoso! O fardo de um cristianismo revolucionário, cujo objetivo seria tomar o poder dos césares deste mundo e entregá-lo ao povo (que, é claro, seria o novo dominador). O fardo de um cristianismo dogmático, onde os hereges deveriam ser odiados e perseguidos. O fardo de um cristianismo atlético, onde cada fiel exercitaria a musculatura das virtudes, contando exclusivamente com seu suor, esforço e boa vontade.

Em todos estes casos, fica na sombra o essencial da vida cristã: a Graça! Todo bem é graça. Tudo nos vem do Pai, “de quem desce todo dom precioso e toda dádiva perfeita” (cf. Tg 1,17). A velha imagem da vida cristã como uma escada que se deve galgar, degrau por degrau, até conquistar as altitudes olímpicas, ignora que o Verbo desceu até nós e assumiu a nossa carne. Doravante, é por uma via descendente que chegaremos a Deus, que veio ocupar o último lugar.

É verdade que também o mundo pagão sobrecarrega seus adoradores com fardos igualmente pesados: a obrigação de ser o primeiro, a imposição de “vencer na vida”, o impulso para passar no vestibular, a necessidade de estar na moda, a compulsão de lucrar, de vender mais, de superar a marca anterior, bater os recordes. Em suma, a proibição de ser eu mesmo…

O pior é quando as Igrejas ditas cristãs assumem os mesmos critérios do mundo pagão, preocupadas com sua imagem, consagradas ao marketing religioso, devotadas a crescer em número de fiéis e derrotar as demais Igrejas.
E Jesus a insistir com doçura: “Aprendei de mim, que sou manso e humilde de coração”… (Mt 11,29).

Orai sem cessar: “Mostra-nos o Pai, e isto nos basta, Senhor!” (Jo 14,8)

Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.