Fará também as obras que eu faço… (Jo 14,7-14)

Neste Evangelho, nós estamos diante de uma promessa clara e direta de Jesus a todo aquele que o segue: “Quem crê em mim fará as obras que eu faço, e as fará maiores do que estas.” Diante do aparente absurdo, Santo Agostinho fala por Jesus: “Realizarei mais por meio daquele que crer em Mim, do que realizo agora por mim mesmo”. Ao agir no poder do Ressuscitado, a Igreja parece superá-lo.

A primeira geração cristã estendeu o Evangelho muito além da Palestina, por onde Jesus limitara sua missão. Em poucos anos, a Boa Nova fora anunciada por todo o Império. Não se trata de ser mais que Jesus, mas, em comunhão com Ele, realizar uma tarefa que supera em muito a ação individual de qualquer pessoa.

Francisco Xavier sai cortando os mares até a Índia, o Japão e a China. Antônio de Pádua ressuscita 5 mortos. Teresa de Calcutá atende – um por um, um de cada vez – milhares de mendigos, enfermos e leprosos. Hoje, suas numerosas seguidoras também fazem obras maiores do que ela, multiplicando seu carisma, sua presença e sua ação por todo o planeta sofredor…

Bem, Jesus não disse que qualquer um faria isto. Somente aqueles que cressem… E o modelo de nossa fé pode ser encontrado na pessoa de Maria de Nazaré, que acreditou no anúncio de Gabriel e mereceu o elogio de Isabel: “Bem-aventurada és tu que creste, pois se hão de cumprir as coisas que da parte do Senhor te foram ditas!” (Lc 1,45)

E foi por ter acreditado que Maria obteve de Jesus o milagre inaugural, nas Bodas de Caná, com o vinho da alegria multiplicado além de toda expectativa. Foi por sua fé que ela teve forças de permanecer de pé junto à cruz. Foi pela fé que Maria acolheu como filhos toda a multidão dos fiéis que ela gerava no Calvário. É pela fé que a Igreja, a exemplo de Maria, continua gerando novos filhos para Deus.

Escorre a areia pela ampulheta inexoravelmente. Somam-se os séculos. Caem por terra os impérios e os exércitos viram pó. Mas a Igreja, sob o manto de Maria, permanece firme em sua missão, sólida em seu combate, ancorada em sua fé. E é na fé que a Igreja amplia, multiplica e projeta para o futuro – até que venha o Cordeiro – os mesmos sinais que acompanharam Cristo nesta terra.

Minha fé se traduz em ações?

Orai sem cessar: “Com o auxílio de Deus faremos proezas!” (Sl 60, 14)

Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.