Fará também as obras que eu faço… (Jo 14,7-14)

Estamos diante de uma promessa clara e direta de Jesus a quem o segue: “Quem crê em mim fará as obras que eu faço, e as fará maiores do que estas.” Diante do aparente absurdo, Santo Agostinho fala por Jesus: “Realizarei mais por meio daquele que crer em Mim, do que realizo agora por mim mesmo”. Ao agir no poder do Ressuscitado, a Igreja parece superá-lo.

De fato, a história conta como a primeira geração cristã estendeu o Evangelho muito além da Palestina, por onde Jesus limitara sua missão. Não se trata de ser mais que Jesus, mas, em comunhão com Ele, realizar uma tarefa que supera em muito a ação individual de qualquer pessoa.

E eis Francisco Xavier cortando os mares até a Índia, o Japão e a China. Eis Antônio de Pádua a reanimar 5 mortos. Eis Teresa de Calcutá atendendo – um por um, um de cada vez – milhares de mendigos, enfermos e leprosos. Hoje, suas numerosas seguidoras também fazem obras maiores do que ela, multiplicando seu carisma, sua presença e sua ação por todo o planeta sofredor…

Bem, devemos reconhecer, Jesus Cristo não disse que “qualquer um” faria isto. Somente aqueles que cressem… Somente aqueles que fizessem a aposta da fé. E por falar em fé, é impossível não pensar em Maria de Nazaré, aquela que acreditou. “Bem-aventurada és tu que creste, pois se hão de cumprir as coisas que da parte do Senhor te foram ditas!” – exclamou Isabel. (Cf. Lc 1,45)

E foi exatamente por ter acreditado que Maria obteve de Jesus o milagre inaugural, nas Bodas de Cana, com o vinho da alegria multiplicado além de toda expectativa. Foi também por sua fé inabalável que ela teve forças de permanecer de pé junto à cruz. Foi ainda pela fé que Maria acolheu como filhos toda a multidão dos fiéis que ela gerava no Calvário. E ao longo dos séculos, é pela fé que a Igreja, a exemplo de Maria, continua gerando novos filhos para Deus.

Escorre a areia pela ampulheta. Somam-se os séculos. Caem por terra os impérios e os exércitos viram pó. Mas a Igreja, sob o manto de Maria, permanece firme em sua missão, sólida em seu combate, ancorada em sua fé. E é na fé que a Igreja amplia, multiplica e projeta para o futuro – até que venha o Cordeiro – os mesmos sinais que acompanharam Cristo nesta terra.
Orai sem cessar: “Com o auxílio de Deus faremos proezas!” (Sl 60,14)

Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.