DIA 27 DE FEVEREIRO – SEXTA-FEIRA

Evangelho (Mateus 5,20-26)

Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: 5 20 “Digo-vos, pois, se vossa justiça não for maior que a dos escribas e fariseus, não entrareis no Reino dos céus.
21 Ouvistes o que foi dito aos antigos: ‘Não matarás, mas quem matar será castigado pelo juízo do tribunal’.
22 Mas eu vos digo: todo aquele que se irar contra seu irmão será castigado pelos juízes. Aquele que disser a seu irmão: ‘Raca’, será castigado pelo Grande Conselho. Aquele que lhe disser: Louco, será condenado ao fogo da geena.
23 Se estás, portanto, para fazer a tua oferta diante do altar e te lembrares de que teu irmão tem alguma coisa contra ti,
24 deixa lá a tua oferta diante do altar e vai primeiro reconciliar-te com teu irmão; só então vem fazer a tua oferta.
25 Entra em acordo sem demora com o teu adversário, enquanto estás em caminho com ele, para que não suceda que te entregue ao juiz, e o juiz te entregue ao seu ministro e sejas posto em prisão.
26 Em verdade te digo: dali não sairás antes de teres pago o último centavo”.

Palavra da Salvação.

Meditando a Palavra

Depois, vem… (Mt 5,20-26)

Sim, depois. Não antes. Não enquanto alimentas ódio e ressentimento no coração. Não enquanto não abriste mão do velho projeto de vingança. O rancor contaminaria a oferta que levas até o altar. Procura o teu irmão, reconcilia-te e depois – só depois! – estarás em condição de prestar culto ao Senhor.

Aqui, estamos diante de algo novo em relação à Primeira Aliança. Nesta, a reconciliação do povo com seu Deus se fazia por meio de vítimas e oferendas levadas ao altar. O sangue das vítimas era aspergido sobe a assembleia em ritual de purificação. Parte da carne – a melhor e mais gorda – era queimada para Deus em holocausto. Outra parte era oferecida ao povo em refeição. Comer parte da vítima consagrada ao Senhor significava estar em comunhão com ele.

Agora, em clima de Nova Aliança, vem Jesus e chama nossa atenção para um aspecto ligado à coerência da fé e do culto divino. Podemos assim resumir a questão: como pretendes estar em comunhão com Deus enquanto estás em conflito com teu irmão, que pretende, igualmente, estar em comunhão com o mesmo Deus? Deus estaria assim fraturado e dividido? Teremos quistos de ódio no coração de Deus?

Ou ainda: não é uma incoerência óbvia pretender o amor de Deus enquanto alimentas intimamente alguma modalidade de ódio (silêncios, reservas, antipatias, formação de partidos, rancores e ressentimentos…) ? Ou te esqueces de que Deus ama também ao irmão a quem aborreces?

O ensinamento de Jesus nos desperta para a incondicional exigência de perdão, sem o qual nossa oferenda mostra-se apenas um gesto ritual vazio de conteúdo existencial, já que nossa vida desmente na prática o rito que celebramos. Como diria o poeta, há distância entre intenção e gesto… E Deus, que lê os corações, certamente não acolherá a oferenda posta sobre a pedra do altar.

Sim, temos vítimas melhores que os bois e novilhos da Primeira Aliança. Não seria o caso de sacrificar a Deus o nosso orgulho? Os repentes de soberba? A ilusão que fazemos sobre nossa própria imagem? A avaliação inflacionada das ofensas que julgamos ter recebido de nosso irmão? Estas vítimas, com certeza o Senhor há de acolher com alegria, com muito mais prazer do que acolheria o sangue dos outros…

Não que o amor ao próximo fique acima do amor a Deus. Claro que não. Mas a falta de um desses amores viria a desmentir a existência do outro. Afinal, filiação e fraternidade se abraçam…

Orai sem cessar: “Vai, eu te envio a teus irmãos!” (Gn 37,13)

Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.