DIA 25 DE NOVEMBRO – TERÇA-FEIRA

Evangelho (Lucas 21,5-11)

Naquele tempo, 21 5 como chamassem a atenção de Jesus para a construção do templo feito de belas pedras e recamado de ricos donativos, Jesus disse:
6 “Dias virão em que destas coisas que vedes não ficará pedra sobre pedra: tudo será destruído”.
7 Então o interrogaram: “Mestre, quando acontecerá isso? E que sinal haverá para saber-se que isso se vai cumprir?”
8 Jesus respondeu: “Vede que não sejais enganados. Muitos virão em meu nome, dizendo: ‘Sou eu’; e ainda: ‘O tempo está próximo’. Não sigais após eles.
9 Quando ouvirdes falar de guerras e de tumultos, não vos assusteis; porque é necessário que isso aconteça primeiro, mas não virá logo o fim”.
10 Disse-lhes também: “Levantar-se-ão nação contra nação e reino contra reino.
11 Haverá grandes terremotos por várias partes, fomes e pestes, e aparecerão fenômenos espantosos no céu”.

Palavra da Salvação.

Meditando a Palavra

Chegou o momento… (Lc 21,5-11)

Neste Evangelho, mesmo sem exagerar na tonalidade apocalíptica, Jesus nos adverte sobre uma “catástrofe” (no sentido etimológico de “decadência”, “queda”, “movimento para baixo”). Nem mesmo as ciclópicas muralhas do Templo ficariam de pé, apesar de sua aparente solidez.

Diante dessa “notícia”, a pergunta dos discípulos é: “Quando será?” Que sinais deveriam observar para prever a catástrofe? Mas Jesus esconde a ampulheta. Não diz o Dia “D” nem a hora “H”. Apenas exorta: “Abram os olhos!” (No grego de São Lucas, “blépete”!) Ficar de olhos abertos para não sair de órbita…

De fato, seria muito cômodo se entrássemos neste mundo com um cartão de créditos, ou de impulsos “telefônicos”. Quando o visor indicasse “último impulso”, seria a hora de nos preparar para a “queda”, ou melhor, para o encontro final com o Juiz dos vivos e dos mortos. Mas, para nosso bem, este “mistério” nos foi vedado.

No final do Ano Litúrgico, quando a Igreja chama nossa atenção para a escatologia – isto é, para os acontecimentos ligados ao final da História -, somos interpelados pela evidência esmagadora: tudo passa. Nada, aqui, dura para sempre. A “figura” deste mundo, tecida de espaço e duração, não subsiste para sempre.

E mais: temos um tempo (ninguém sabe quanto!) para realizar nossa missão neste planeta e dar nossa contribuição para edificar o Reino de Deus. Findo esse tempo, estaremos perante o Juiz. O fato de ser um Juiz cheio de misericórdia não reduz em nada nossa responsabilidade pela forma como gastamos nosso tempo e os dons que em nós investiu o Criador.

Passamos pela permanente tentação de admirar com estesia e prazer as belezas (e são belas!) deste mundo. Tal como os discípulos extasiados diante da beleza do Templo e da riqueza de seus ex-votos. Daí à idolatria, um passo estreito. E logo nos vemos alheios às realidades eternas, às coisas que não passam. Ao menos, fomos avisados. Abrir os olhos! Não dar crédito aos falsos profetas que simulam possuir os segredos e os arcanos da vida. Aqueles mesmos profetas que previram o fim do mundo para o ano 2000. E ainda choram porque o mundo não acabou.
Sim, o tempo pode ser “elástico” nas mãos de seu Criador. Mas há de ter um fim. Até lá, é tempo de amor. É tempo de cruz…

Orai sem cessar: “É eterna, Senhor, vossa palavra, tão estável como o céu!” (Sl 119,89)

Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.