DIA 19 DE DEZEMBRO – SEXTA-FEIRA

Evangelho (Lucas 1,5-25)

1 5 Nos tempos de Herodes, rei da Judéia, houve um sacerdote por nome Zacarias, da classe de Abias; sua mulher, descendente de Aarão, chamava-se Isabel.
6 Ambos eram justos diante de Deus e observavam irrepreensivelmente todos os mandamentos e preceitos do Senhor.
7 Mas não tinham filho, porque Isabel era estéril e ambos de idade avançada.
8 Ora, exercendo Zacarias diante de Deus as funções de sacerdote, na ordem da sua classe,
9 coube-lhe por sorte, segundo o costume em uso entre os sacerdotes, entrar no santuário do Senhor e aí oferecer o perfume.
10 Todo o povo estava de fora, à hora da oferenda do perfume.
11 Apareceu-lhe então um anjo do Senhor, em pé, à direita do altar do perfume.
12 Vendo-o, Zacarias ficou perturbado, e o temor assaltou-o.
13 Mas o anjo disse-lhe: “Não temas, Zacarias, porque foi ouvida a tua oração: Isabel, tua mulher, dar-te-á um filho, e chamá-lo-ás João.
14 Ele será para ti motivo de gozo e alegria, e muitos se alegrarão com o seu nascimento;
15 porque será grande diante do Senhor e não beberá vinho nem cerveja, e desde o ventre de sua mãe será cheio do Espírito Santo;
16 ele converterá muitos dos filhos de Israel ao Senhor, seu Deus,
17 e irá adiante de Deus com o espírito e poder de Elias para reconduzir os corações dos pais aos filhos e os rebeldes à sabedoria dos justos, para preparar ao Senhor um povo bem disposto”.
18 Zacarias perguntou ao anjo: “Donde terei certeza disto? Pois sou velho e minha mulher é de idade avançada”.
19 O anjo respondeu-lhe: “Eu sou Gabriel, que assisto diante de Deus, e fui enviado para te falar e te trazer esta feliz nova.
20 Eis que ficarás mudo e não poderás falar até o dia em que estas coisas acontecerem, visto que não deste crédito às minhas palavras, que se hão de cumprir a seu tempo”.
21 No entanto, o povo estava esperando Zacarias; e admirava-se de ele se demorar tanto tempo no santuário.
22 Ao sair, não lhes podia falar, e compreenderam que tivera no santuário uma visão. Ele lhes explicava isto por acenos; e permaneceu mudo.
23 Decorridos os dias do seu ministério, retirou-se para sua casa.
24 Algum tempo depois Isabel, sua mulher, concebeu; e por cinco meses se ocultava, dizendo:
25 “Eis a graça que o Senhor me fez, quando lançou os olhos sobre mim para tirar o meu opróbrio dentre os homens”.

Palavra da Salvação.

Meditando a Palavra

Isabel ficou grávida… (Lc 1,5-25)

Toda gravidez é novidade. Por certo, a maior de todas as novidades ao nosso alcance. É a gravidez que faz as mães. Ela é que traz os filhos. Ela diz à raça humana que a vida insiste, perpetua-se no tempo e garante a próxima geração.

Natural, a “novidade” é ainda maior no caso de Isabel de Zacarias: ela é idosa. Ela é estéril. Sua gravidez é um milagre. Mais ainda: é sinal de que Deus está em ação e faz possível o impossível.

Por tudo isso, não deixa de ser curiosa a reação de Isabel: ela “permaneceu escondida”. Não seria de esperar que a velha parenta de Maria saísse correndo pelas ruelas de Ain Karim, proclamando sua “novidade” às amigas e vizinhas? Seria, mas ela prefere ocultar o segredo do Rei…

De fato, o texto grego de São Lucas, em sentido literal, diz que Isabel, vendo-se grávida, “cerca-se de segredo” [periékryben eotèn] (cf. Lc 1,24). Nestes tempos em que pretensas curas e milagres são transformados em espetáculo na TV para atrair seguidores (e contribuintes…), a mãe de João Batista celebra em silêncio, no santuário do coração, a graça especial que recebeu do Senhor: “Ele dignou-se tirar a vergonha que pesava sobre mim”. (Lc 1,25)

Entre os hebreus, herdeiros da promessa do Messias, a esposa estéril era uma fracassada, digna de pena, mas também alvo de irrisão. Podia ser repudiada ou, na melhor das hipóteses, ter de tolerar uma segunda esposa. Não admira que a Escritura registre vários casos “impossíveis” de gravidez, como Ana, mãe de Samuel (cf. 1Sm 1,2.20) e a mãe anônima de Sansão (cf. Jz 13,2-3.24). É assim que Yahweh se revela como o Senhor e a Fonte da vida.

Isabel sabe que foi agraciada. Por isso mesmo, escolhe para o filho o nome de João [no hebraico, Yohanan: “o Senhor concede graça”], ainda que tal escolha encontre reação nos familiares (cf. Lc 1,60-63).

No tempo litúrgico do Advento, também a Igreja está grávida de Cristo. Ela se recolhe, reveste-se de roxo, reduz as flores e faz discretos os instrumentos musicais. A exemplo de Isabel, a espera do filho prometido deve cercar-se de profunda vida interior, preparando o júbilo e os louvores dos anjos de Belém. Grávidos do Natal…

Orai sem cessar: “O segredo do Senhor é para os que o temem.” (Sl 25,14)

Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.