DIA 25 DE FEVEREIRO – QUARTA-FEIRA

Evangelho (Lucas 11,29-32)

Naquele tempo, 11 29 quando as multidões se reuniram em grande quantidade, Jesus começou a dizer: “Esta geração é uma geração perversa; pede um sinal, mas não se lhe dará outro sinal senão o sinal do profeta Jonas.
30 Pois, como Jonas foi um sinal para os ninivitas, assim o Filho do Homem o será para esta geração.
31 A rainha do meio-dia levantar-se-á no dia do juízo para condenar os homens desta geração, porque ela veio dos confins da terra ouvir a sabedoria de Salomão! Ora, aqui está quem é mais que Salomão.
32 Os ninivitas levantar-se-ão no dia do juízo para condenar os homens desta geração, porque fizeram penitência com a pregação de Jonas. Ora, aqui está quem é mais do que Jonas”.

Palavra da Salvação.

Meditando a Palavra

O sinal de Jonas… (Lc 11,29-32)

Deus fala. Diferentes dos ídolos mudos, Deus insiste em comunicar-se com o homem. O primeiro grande “sinal” de sua presença foi a própria Criação: a contemplação do Cosmo, do microscópico ao macroscópioco, deveria bastar à criatura para dobrar os joelhos em adoração, saltando da obra ao Operário, dos vasos ao Oleiro, da argila ao Sopro…

Mas Deus vem falando incansavelmente, ao longo dos séculos, também por meio de seus profetas (Isaías, Gandhi, Luther King…), por meio de sonhos (Abimelec [Gn 20,2ss], José de Nazaré [Mt 1,20ss], Paulo [At 16,9]), por meio dos acontecimentos (o êxodo, o cativeiro de Babilônia, a destruição do Templo, a Shoá, a Segunda Guerra mundial…). Telespectadores atentos hão de ouvi-lo no fundo dos noticiários da TV.

Apesar de toda esta divina comunicação, os racionalistas de cada geração ainda pedem por “sinais”: algo de esmagadora potência que os convencesse sem a necessidade do humilde ato de fé. Foi assim também no tempo de Jesus: como se não bastassem os cegos que viam, os surdos que ouviam, os leprosos purificados, os paralíticos mobilizados, escribas e fariseus exigem de Jesus um sinal definitivo.

Ora, “doutores da lei” que eram, eles deveriam “ler” com olhos de fé a Escritura que ciosamente conservavam. Nela, entre outros sinais, saltava aos olhos a narrativa de um tal Jonas, convocado por Deus a despertar os ninivitas para uma oportunidade de salvação. Em lugar de Nínive (1200 km a Nordeste), Jonas foge para Társis, a Espanha (5500 km a Oeste). Na rota de fuga, acaba lançado ao mar e deglutido por um grande peixe.

No coração (kardia) do mar, na barriga (koilia) do peixe, duplamente sepultado, Jonas reza belíssimo salmo: “O abismo me circunda / algas se agarram à minha cabeça / mas tiraste da fossa a minha vida!” (Jn 2,6-7). Deus ouve e responde, devolvendo à superfície o profeta fujão vomitado pelo peixe.

Eis o sinal: após três dias no ventre da morte (Jn 2,3), voltar ao mundo dos vivos e anunciar a salvação. A figura de Jonas era o tipo do Messias – também ele mergulhado nas trevas de nosso pecado! – que, após ser envolvido pelos vagalhões da morte, ressurge à luz de nossa História para anunciar a Notícia salvadora. Hoje, como naquele tempo, não nos será dado outro “sinal”.

No comentário de Santo Efrém de Nisíbia [306-373 d.C.], “se os ninivitas tivessem desprezado Jonas, teriam descido em vida à mansão dos mortos, como Jonas no ventre do peixe. Como, porém, fizeram penitência, foram resgatados da morte, como Jonas. Assim é em relação a Nosso Senhor: ou bem os homens vivem por sua morte, ou bem morrem por ela”.

Ainda querem um sinal?

Orai sem cessar: “O Senhor reergue os abatidos…” (Sl 145,14)

Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.