23/02/2019 – Escutai-o! (Mc 9,2-13)

A verdadeira religião é uma escuta. Por isso mesmo, na Primeira Aliança, quando o Senhor entrega sua Lei a Israel, tem o cuidado de anteceder as Dez Palavras por um imperativo fundamental: “Escuta, Israel!” Shemá, Israel!

Ao longo de todo o Antigo Testamento, o Senhor é um Deus-que-fala. Que se espera do povo? Um coração ouvinte (cf. 1Rs 3,9). Como o Verbo-Palavra ainda não se manifestara na carne dos mortais para um diálogo direto com os homens, o Senhor fala ao povo por intermediários: Moisés e Elias, a Lei e os profetas.

Na caminhada de Israel, o pecado que lhe apontado é o pecado da surdez, como um povo incapaz de acolher e praticar a palavra que lhe era dada, a ponto de Isaías gritar o lamento de Deus: “O boi entende seu proprietário, o burro conhece o cocho de seu dono, só Israel não tem conhecimento, só o meu povo não entende!” (Is 1,3)

Ora, neste Evangelho, são exatamente Moisés e Elias que aparecem no alto do Tabor em diálogo com Jesus. A presença das duas figuras da Primeira Aliança surge para avalizar o ensinamento de Jesus diante de Pedro, Tiago e João, isto é, diante da Igreja nascente. Deixando de lado os aspectos sensacionais – a luz divina que envolve a montanha, o corpo transfigurado de Jesus, a própria aparição de personagens do passado -, o núcleo deste episódio é a voz que sai da nuvem, a voz única do Pai que ordena, em tom solene: “Escutai-o!”

Será que podemos ouvir o Filho amado sem dúvidas, sem medo, sem inquietações? Quem nos responde é São Leão Magno, atribuindo ao Pai estas palavras:

“Escutai-o sem hesitação, pois ele é verdade e vida, ele é meu poder e minha sabedoria. Escutai a ele, que os mistérios da Lei anunciaram e a voz dos profetas cantou. Escutai a ele, que resgata o mundo por seu sangue, que encadeia o diabo e rouba-lhe suas armas, que rasga a cédula da dívida e o pacto da prevaricação. Escutai-o, ele que abre o caminho do céu e, pelo suplício da cruz, vos prepara os degraus para subirdes ao reino. Por que temeis ser resgatados? Por que, feridos, temeis ser curados? Que se faça o que quer o Cristo, assim como eu também o quero.”
Orai sem cessar: “Fala, Senhor, que teu servo escuta!” (1Sm 3,9)
23