Então sabereis que eu Sou… (Jo 8,21-30)

Quando Jesus descansava na palha da manjedoura de Belém, era quase impossível identificar na frágil criancinha a sua divindade. Quando ele ajudava José na pobre oficina de Nazaré, dificilmente alguém perceberia a sua natureza divina no adolescente pobre. Quando, porém, Jesus foi cravado na cruz do Calvário, o centurião romano prontamente o reconheceu: “Verdadeiramente, este homem era o Filho de Deus!” (Mc 15,39)

É a cruz o “lugar” onde podemos identificar Jesus. As luzes do Tabor logo se apagam quando se cala a voz da nuvem. O estupor dos discípulos logo se desvanece quando as águas do lago voltam à calmaria. Mas é impossível ignorar a maneira como o Filho de Deus derramou seu sangue por nós…

Em sua discussão com os fariseus endurecidos na descrença, o próprio Jesus já tinha apontado para a solução do conflito: a cruz! Ele disse: “Quando vocês tiverem elevado o Filho do homem, então sabereis que Eu Sou…” Ora, “Eu Sou” é o nome de Deus, revelado a Moisés no episódio da sarça ardente (cf. Ex 3,14).

O Filho entregue pelo Pai, inestimável presente do Amor, é acolhido como pedra de tropeço, incômoda presença, motivo de argumentação e de exigência de sinais. Como diz Louis Bouyer, “o conflito terminará com a vitória aparente do poder das trevas, o qual age através de seus adversários, que ele mantém na escravidão. Mas este falso triunfo será, de fato, a sua derrota. O termo ‘elevar’, com o possível duplo sentido de crucificar ou exaltar, marca bem a confusão das trevas quando elas virem a Luz resplandecer da cruz onde elas acreditaram apagá-la. Este anúncio da Paixão é o primeiro que Jesus faz em público. Notaremos especialmente como São João anota, em seguida, que a glória de Cristo e sua Paixão são inseparáveis”.

O antigo hino litúrgico “Vexilla Regis” assim canta a vitória do Crucificado:
Avançam os estandartes do rei,

Brilha o mistério da cruz.

O Criador da carne, pela carne

É suspenso no madeiro.
Salve, ó altar! Salve, ó vítima,

Glória da paixão,

Pela qual a Vida levou à morte

E pela morte devolveu a vida!
Orai sem cessar: “Levanto os olhos para vós, que habitais nos céus.” (Sl 122,1)

Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.