Ele vos batizará no Espírito Santo… (Mc 1,1-8)

Este Evangelho contrapõe dois personagens: João Batista e Jesus Cristo. Contrasta, igualmente, dois batismos, dois “mergulhos”. De um lado, o batismo “de João”, nas águas puras do Jordão, como um rito penitencial ao qual o povo se submetia enquanto sinal de contrição e arrependimento de seus pecados, diante da iminência do Reino de Deus que se avizinhava. De outro, o batismo “no Espírito”, que Jesus iria realizar.

As diferenças são evidentes: a água lava por fora. O fogo cauteriza por dentro. O primeiro batismo significava a graça, o segundo vem conferi-la. No primeiro, o pecador se reconhecia como tal; no segundo, o pecador era santificado. O primeiro é preparação para a vida, o segundo é plenitude de vida.

Só depois de Pentecostes os discípulos perceberiam o alcance dessa promessa e o dinamismo infundido em seus corações. Hoje, mais do que nunca, a missão da Igreja e de cada fiel depende radicalmente de um “mergulho” no Espírito de Deus. Sem ele, não temos luz nem força para caminhar.

Hoje, convido você a se abrir à visita do Espírito de Deus e pedir um novo Pentecostes em sua vida pessoal, fazendo de meu soneto “Invocação” a sua ardente prece:
Pomba de fogo, desce sobre mim!

Vem dissolver os blocos de meu gelo:

Abrasa o coração… Vem derretê-lo

Com o gládio abrasador de um querubim!

Quero sentir a tua chama, assim,

Gravando no meu íntimo o teu selo:

Inflamado serei pelo teu zelo

E poderei amar até o fim…

Arromba minhas portas, Santo Vento!

Abre as janelas do meu aposento!

Fende a muralha, abate o meu portão!

E, enquanto o meu castelo já se arromba,

Vejo pousar em mim a aérea pomba,

Transfigurando em luz meu coração…

Orai sem cessar: “Batiza-me, Senhor, com teu Espírito!”

Texto e poema de Antônio Carlos Santini, da Com. Católica Nova Aliança.