E ele os curou… (Mt 15,29-37)

Coxos, aleijados, cegos, mudos e outros doentes – a todos Jesus curou, sem fazer forma alguma de discriminação. Curou homens e mulheres, doentes crônicos e deficientes “de nascença”, atendendo a amigos (a sogra de Pedro), a estrangeiros (como o servo do centurião romano), e mesmo a quem o prendia (devolvendo a orelha de Malco).
Sei que os biblistas preferem falar em “sinais” quando se referem às curas do médico Jesus de Nazaré. O povo simples já se acostumou a falar de “milagres”. E continua pedindo os mesmos milagres, sendo muitas vezes atendido, pois a compaixão do Nazareno não mudou de lá para cá…

Pascal, o conhecido filósofo francês, escreveu na parte de final de seus “Pensées” uma frase colocada na boca de Jesus: “Os médicos não te curarão, pois no fim morrerás. Mas sou eu quem curo e torno o corpo imortal. Sofre as cadeias e a servidão corporal; por ora eu só te liberto da espiritual”.

Não creio que os leprosos da Palestina assinassem em baixo deste “pensamento” pascaliano. Nem a hemorroíssa curada após 12 anos de hemorragia, nem a menina retomada das carpideiras. Todos eles experimentaram algo que não achei nos manuais de medicina ou nos compêndios de teologia: o amor de Deus invade nossas vidas sem excluir nossos corpos. A “cura” ou salvação que o Senhor nos oferece envolve todo o ser: corpo, mente e espírito (cf. 1Ts 5,23).

Estou de acordo com François Trévedy, em um de seus sermões, quando diz que, para Jesus Cristo, a multidão não é uma espécie de massa indistinta, mas de conhecimentos e pessoas únicas. “Homem-Deus de relações, Jesus Cristo se preocupa com isso em grau máximo, e só se dispensa com conhecimento de causa. Para sanar nossas hemorragias mais inveteradas e mais secretas, ele nos infunde seu próprio sangue, não em virtude de alguma ordem cega e geral, mas do diagnóstico mais clarividente possível: o diagnóstico do amor criador que habilita e reabilita sem cessar na saúde, na santidade da existência.” Citando outro Pascal, “eu derramei estas gotas de sangue por ti”…

Jesus médico. Sem diploma, mas eficaz. Sem CRM, mas atento a meu mal. Sem jaleco branco, mas decidido a branquear o coração do homem de toda a lama sobre ele lançada por um mundo que regressa ao paganismo. Ele, Jesus, saúde e salvação…

Orai sem cessar: “Eram nossos sofrimentos que ele carregava…” (Is 53,4)

Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.