E deu-lhes poder… (Mt 10,1-7)

Jesus não confiaria aos apóstolos uma missão entre lobos sem os revestir do necessário poder. O Mestre sabia que o mundo é dominado por um “príncipe” disposto a tudo para manter na escravidão aqueles que o Pai destinava à filiação divina.

Dietrich Bonhoeffer reflete sobre este poder:

“Não se trata apenas de uma palavra, uma doutrina, mas é um poder eficaz que os apóstolos recebem. Deve ser um poder maior que o poder daquele que domina a terra: o diabo. Os discípulos bem sabem que o diabo tem poder, ainda que a astúcia dele seja exatamente a de negar o seu poder e dar aos homens a ilusão de que ele não existe.

Ora, é justamente esta manifestação tão perigosa de seu poder que importa atingir. É preciso que o diabo seja posto à luz do sol e vencido pelo poder de Jesus Cristo. Assim, os apóstolos se enfileiram ao lado do próprio Jesus, pois é a obra dele que devem ajudá-lo a realizar.

Assim, para essa missão, Jesus não lhes nega também o dom mais elevado, que consiste em ter parte no seu poder sobre os espíritos impuros, sobre o diabo que se apoderou da humanidade. Nessa missão, os apóstolos se tornaram semelhantes a Cristo. Eles realizam as obras de Cristo.”

Seria extremo infantilismo acreditar que a decadência generalizada das sociedades humanas pudesse ser sanada através de bons conselhos. A própria consciência coletiva se encontra obturada por uma enxurrada de hábitos, modismos e contravalores, hoje assimilados neutramente por grande parte da massa humana. A regeneração humana exige uma participação no poder de Cristo.

E não podemos queixar-nos, pois ele se manifesta aqui e ali, sem reservas. O próprio Bonhoeffer, que lemos acima, manifestou esse poder quando se insurgiu contra a hidra nazista e não cedeu um milímetro em sua missão evangelizadora, acabando como mártir nos cárceres da tirania.

É esse mesmo poder que inspira Dom Bosco a se dedicar aos pivetes, ainda que acusado por outros padres de estar desonrando o clero ao se misturar àquela “gentinha”. As atitudes do Papa Francisco, assumindo modelos “franciscanos” no Vaticano, revela aquela liberdade que o mundo pagão desconhece. É preciso poder para abraçar a pobreza e a obediência a Deus.

Orai sem cessar: “O Senhor é meu escudo e salvação!” (Sl 18,3)

Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.