Deus conhece os vossos corações… (Lc 16,9-15)

“Quem vê cara, não vê coração.” O exterior e o interior. E muitas vezes um desmente o outro. Não podemos viver de aparências, pois, como diz o poeta, “muita gente existe / cuja ventura única consiste / em parecer aos outros venturosa”.

Só Deus conhece o coração humano. Quando Jesus chama os fariseus de “hipócritas”, vergasta o pecado de simular a fachada de religiosidade quando o íntimo cheira mal, comparado a “sepulcros caiados”. (Mt 23,27.) Como aproximar nosso interior do exterior? Pelo exame de consciência seguido da confissão individual, auricular. Diante de Jesus – na pessoa do sacerdote – reconhecemos os pecados, nossos desvios do caminho do amor. E nossa miséria faz cócegas na misericórdia de Deus. Perdoados, já não precisamos fingir…

Daí, o mal feito nas “confissões comunitárias”, a distribuir absolvição coletiva sem a prévia (e canônica) acusação individual dos pecados. Nos encontros de aconselhamento, pergunto a fiéis que passam tempos sem a confissão individual: “Você se sente, de fato, perdoado, com a confissão comunitária?” E a resposta é acompanhada de um risinho maroto: “Não…”

Tanto o Código de Direito Canônico quanto a Exortação Apostólica “Reconciliação e Penitência”, de João Paulo II, deixam claro que a confissão comunitária é para situações excepcionais, entre as quais não se inclui o afluxo de numerosos penitentes. O simples fato de serem realizadas a intervalos regulares aponta sua ilegitimidade. Fica também estabelecido que o Bispo que autoriza tais confissões “onera gravemente a sua consciência”.

Confissão comunitária leva ao progressivo relaxamento da consciência. Não deve substituir a confissão auricular, pois favorece a via ambígua de manter um estado interior que não corresponde aos sinais exteriores. A reconciliação exige a presença do outro, pois todo pecado se irradia sobre a família, a Igreja, a humanidade. Não há pecado apenas individual. Por isso, nos confessamos a alguém.

Ainda que seja possível um ato de contrição perfeita, no silêncio do quarto, não é a via eclesial. Os exemplos bíblicos (Davi diante de Natan / a adúltera perante Jesus / o filho pródigo aos pés do Pai) confirmam esta verdade. E quando S. Tiago fala em reconciliação, dá-nos o “modo de usar”: “Confessai vossos pecados uns aos outros e rezai uns pelos outros, a fim de serdes curados.” (Tg 5,16.) A pretensão de obter via direta o perdão divino pode ocultar movimentos de soberba, e a falta de sincero arrependimento.

Orai sem cessar: “Pequei contra ti!” (Sl 51,6)

Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.