Confiança, filha! (Mt 9,18-26)

Uma enfermidade que já durava doze anos. E na linguagem bíblica o número doze sinaliza uma experiência completa, uma ideia de plenitude. A infeliz já passara por tudo que lhe cabia passar. Bebera seu cálice até o fim. Mas não perdera a esperança… Quando Jesus passa por ela, a caminho da casa de um “figurão” dos judeus, a mulher resolve dar um passo na fé. Ela crê que o Rabi é um homem de Deus. Sabe que ele já curou a muitos. Em seu íntimo, ela pensa: “Se eu o toco, ainda que seja apenas no seu manto, ficarei curada”.

Curiosamente, o Evangelho de Mateus sugere que ela nem chegou a tocar Jesus, mas este se antecipa a seu anseio e confirma sua fé: “Confiança, filha! A tua fé te salvou!” E no mesmo instante ficou curada.

Certa vez, em viagem missionária, visitei nosso núcleo de Irapuã, SP. Na oração da manhã, depois de cantar um cântico a N. Sra. dos Impossíveis, sugeri que cada um dos presentes se dirigisse à Mãe de Deus e colocasse em suas mãos o seu próprio “impossível”: aquilo que jamais poderíamos resolver por nossos próprios meios e recursos.

Estava presente uma senhora, casada há 12 anos (o mesmo número!), estéril, que recorrera à medicina, em vão, para engravidar. Naquele momento, ele fez o ato de fé e entregou o seu “impossível”. Um mês depois de voltar a Belo Horizonte, recebi um recado da Comunidade: naquela mesma semana ela havia engravidado. Cerca de dois anos depois, voltei a Irapuã e conheci o filho que o Senhor lhe dera, pela intercessão da Mãe celeste. Mais uma vez, a confiança em Deus havia superado o impossível.

Há quem ria dessas coisas, fora e dentro da Igreja. Assim como riram de Jesus quando chegou à casa do “notável” e disse que a menina morta apenas dormia, entre os lamentos das carpideiras e a música lúgubre dos flautistas. Depois de mandar sair os incrédulos, tomou-a pela mão e a menina se ergueu com vida.

Ainda hoje, o amor de Jesus Cristo continua a se manifestar em nosso meio, fazendo a vida nova brotar exatamente onde se anunciava a morte definitiva: o mundo das drogas, a depressão profunda, os casais separados. A você que sofre e não vê nenhuma saída humana, é a você que Jesus repete neste instante: “Confiança!”

Pois nada é impossível para Deus… (Lc 1,37.)

Orai sem cessar: “Senhor, vós mudastes meu luto em dança!” (Sl 30,12)

Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.